Cidadeverde.com
Política

Na abertura do ano Judiciário, Sebastião Martins defende parceria com governo contra feminicídio

Imprimir
  • Untitled-4.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Untitled-2.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • tj-aberturadoano.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • thiagobrandao-amapi.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • themistocles-tj.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • themistocles-regina.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • sebbastiao-themistocles-tj.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • sebbastiao-alencar-tj.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • sebastiao-sorrindo.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • reginasousa.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • regina-sebastiao-tj.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • celsobarros-oab.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com

O desembargador Sebastião Ribeiro Martins abriu o ano judiciário 2019 nesta segunda-feira(21) no Tribunal de Justiça do Piauí. Na sessão solene, ele defendeu maior parceria entre o Tribunal e o Governo do Estado no combate ao feminicídio. 

Ao lado da governadora em exercício, Regina Sousa (PT), Sebastião Martins destacou o trabalho da coordenadoria de combate à violência contra a mulher. A coordenadoria já existe no TJ e terá  o comando do desembargador José James.

"Desde quando fui eleito já venho anunciando que o combate ao feminicídio é uma das nossas metas. O Tribunal possui uma coordenadoria de combate à violência contra a mulher. Vamos intensificar os trabalhos para que esse tipo de crime possa ser julgado da forma mais rápida", disse.

Sebastião Ribeiro Martins destacou a instalação do cartório de notas no bairro Dirceu, zona Sudeste de Teresina. Segundo ele, o novo cartório ajudará a resolver o problema da lotação dos cartórios.

"A partir de hoje já estará  instalado primeiro cartório de notas do Dirceu. Vamos abrir o ano judiciário pela primeira vez com um cartório em um bairro de Teresina. Um cartório de notas que já funciona hoje. Vai prestar um grande serviço e desafogar os cartórios do Centro de Teresina", disse.

"Queremos aumentar a produtividade. É preciso prestar o bom serviço. Aumentar as conciliações e medicações. A conciliação é melhor que uma boa causa. A reconciliação incentiva a cultura da paz", afirmou.


Lídia Brito
[email protected]

Imprimir