Cidadeverde.com
Política

PF mira tucanos, prende Paulo Preto e faz buscas em endereço de Aloysio Nunes

Imprimir

Paulo Preto (Foto: José Cruz/Arquivo/Agência Brasil)

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira (19) mais uma fase da Operação Lava Jato e prendeu Paulo Preto, ex-diretor da Dersa (empresa de estradas do Governo de São Paulo), suposto operador do PSDB e suspeito de operar propinas da empreiteira Odebrecht.

Batizada de Ad Infinitum, a fase da operação também cumpre mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao ex-senador e ex-chanceler Aloysio Nunes (PSDB) - hoje presidente da estatal Investe SP, cargo de primeiro escalão do governo João Doria (PSDB).

A Procuradoria acusa Paulo Preto de ter movimentado ao menos R$ 130 milhões em contas na Suíça, de 2007 a 2017.

Em uma dessas contas, segundo a Procuradoria, foi emitido um cartão de crédito em favor do ex-senador Aloysio Nunes, em dezembro de 2007 -que teria sido entregue a ele num hotel em Barcelona, na Espanha. Na época, Aloysio era secretário da Casa Civil do governo José Serra (PSDB) em São Paulo. O cartão foi emitido na semana entre o Natal e o Ano-Novo.

O ex-chanceler no governo Michel Temer (MDB) negou ter recebido o cartão de crédito e afirmou nesta terça-feira que não sabe porque está sendo investigado.

As investigações são baseadas em informações e documentos colhidos no sistema de propinas da empreiteira Odebrecht. Paulo Preto é acusado de ter operado em favor da empreiteira, disponibilizando valores em espécie ao setor que comandava o pagamento de propinas. Mas o ex-diretor da Dersa, segundo os investigadores, também recebeu valores em suas contas na Suíça das empreiteiras Andrade Gutierrez e Camargo Corrêa, igualmente investigadas na Lava Jato. Essas contas foram encerradas no primeiro trimestre de 2017, depois de o acordo da Odebrecht ter se tornado público. Em seguida, os valores foram transferidos para contas nas Bahamas.

Para o procurador da República Júlio Noronha, ainda há "várias caixas-pretas que precisam ser abertas" pela Lava Jato.
O ex-diretor da Dersa já é alvo de investigação pela Lava Jato em São Paulo, que apura desvios em obras rodoviárias no estado. Mas, segundo os procuradores de Curitiba, sua atuação no governo paulista não é alvo da investigação desta terça, que se concentra em seu papel de operador da Odebrecht.
Os procuradores argumentam que os repasses de Paulo Preto à Odebrecht foram imediatamente anteriores a pagamentos de propina para ex-diretores e gerentes da Petrobras, como Paulo Roberto Costa, Roberto Gonçalves e Pedro Barusco. Aí estaria o vínculo com a Lava Jato de Curitiba, a quem cabe apurar desvios na estatal de petróleo.

O ex-senador Aloysio Nunes, por sua vez, já foi alvo de um inquérito no STF (Supremo Tribunal Federal) que apurava doações irregulares à sua campanha ao Senado, em 2010. Mas a investigação foi arquivada no fim do ano passado, por falta de indícios mínimos de autoria ou materialidade.

PECULATO E DADOS FALSOS

No início deste mês, o Ministério Público Federal pediu à Justiça que o ex-diretor da Dersa seja condenado a cerca de 80 anos de prisão na primeira ação da Lava Jato de São Paulo. Nela, o ex-diretor é réu sob a acusação de peculato (desvio de dinheiro público), inserção de dados falsos em sistema de informação e formação de quadrilha.

A Procuradoria diz que ele desviou verbas públicas em reassentamentos de moradores para a construção do trecho sul do Rodoanel, obra viária que circunda a capital paulista. O valor que teria sido desviado é de R$ 7,7 milhões e, corrigido, ultrapassa R$ 10 milhões.
Ele teria beneficiado, segundo a denúncia, quatro empregadas suas com unidades da CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo) e auxílios-mudança, que deveriam ir para os atingidos pela obra.

Uma decisão do ministro do STF Gilmar Mendes deve levar esse caso à prescrição.

A decisão liminar (urgente e provisória) do ministro, assinada na semana passada, anula a fase final do processo e reabre a possibilidade de produção de provas por parte dos réus, fazendo com que a tramitação seja mais demorada.

A prescrição de parte dos crimes atribuídos por delatores a Preto é dada como certa por investigadores do caso em São Paulo. Isso porque ele completa 70 anos no dia 7 de março, daqui a quatro meses, e a possibilidade de que as apurações sobre o principal caso em que ele é citado avancem depende de documentos que ainda serão despachados pelo Supremo Tribunal Federal.

 

Fonte: Folhapress

Imprimir