Cidadeverde.com
Esporte

Palmeiras pode ser rebaixado por manter Del Nero no Conselho, diz Fifa

Imprimir

Bruno Domingos/Mowa Press

 

Ao manter o ex-presidente da CBF Marco Polo del Nero como integrante do seu Conselho Deliberativo mesmo depois de a Fifa determinar o banimento do ex-cartola de forma definitiva de qualquer atividade relacionada ao futebol, o Palmeiras corre risco de ser rebaixado para a Série B do Campeonato Brasileiro. A queda para a segunda divisão está entre as penas previstas pela entidade máxima do futebol a quem não cumprir as suas punições.

Del Nero está impedido até o fim da vida de exercer qualquer função no futebol desde 27 de abril do ano passado por decisão do Comitê de Ética da Fifa. Conselheiro vitalício do Palmeiras, ele foi considerado culpado das acusações de suborno e corrupção, conflito de interesse e desvio de conduta à frente da CBF e levou multa de 1 milhão de francos suíços (R$ 3,5 milhões na cotação atual). Ele alega ser inocente e recorreu à segunda instância jurídica da Fifa para derrubar a punição.

No mesmo dia em que a Fifa anunciou a pena ao brasileiro, a CBF acatou a decisão e emitiu um comunicado no qual confirmou o então vice-presidente Antônio Carlos Nunes de Lima como presidente da entidade, em substituição a Del Nero. O Palmeiras, no entanto, não tomou nenhuma atitude em relação ao ex-cartola e, por isso, pode ser punido pela entidade.

Questionada pelo Estado sobre a permanência de Del Nero no Conselho Deliberativo do Palmeiras, a Fifa informou por meio de porta-voz que o clube brasileiro está sujeito às sanções previstas no artigo 64 do seu Código Disciplinar, revisto em 2017 após o escândalo de corrupção que desencadeou na prisão de vários cartolas, entre eles José Maria Marin, ex-presidente da CBF e aliado de Del Nero.

De acordo com o regulamento da Fifa, o clube que não respeitar decisão aprovada por seus órgãos internos "será avisado e notificado que, no caso de inadimplência ou não cumprimento de uma decisão dentro do prazo estipulado, pontos serão deduzidos ou será ordenado o rebaixamento para uma divisão inferior". O clube também pode ser proibido de fazer transferências de jogadores.

O presidente do Conselho Deliberativo do Palmeiras, Seraphim Del Grande, disse que, depois da punição aplicada pela Fifa, Del Nero se afastou. "Ele nos entregou um pedido de licença. Enquanto o caso com a Fifa ainda estiver com a possibilidade de recursos, iremos aguardar", afirmou Del Grande.

Del Nero não frequenta os encontros do Conselho Deliberativo do clube e não participou até mesmo da reunião do último mês, quando Marco Polo del Nero Filho se elegeu conselheiro vitalício do Palmeiras - nas duas tentativas anteriores, ele não havia conseguido a quantidade necessária de votos.

Em abril do ano passado, logo depois do banimento imposto pela Fifa, um grupo de 18 conselheiros protocolou no Conselho Deliberativo um pedido para Del Nero ser expulso do órgão. Apesar dessa movimentação, a postura da cúpula alviverde é de cautela e paciência com o caso. O Palmeiras avaliou a situação e considera estar seguro contra qualquer punição.

O advogado de Del Nero, Marcos Motta, foi procurado pela reportagem, mas disse que não poderia comentar o assunto.

Advogados consultados pelo Estado têm opiniões divergentes sobre a permanência do ex-cartola no Conselho Deliberativo do Palmeiras. Luiz Fernando Pereira, por exemplo, não acredita que a licença seja suficiente e Del Nero tem de ser banido do clube. "A licença só seria válida se a punição da Fifa fosse uma suspensão provisória, o que não é o caso. A Fifa determinou aplicação imediata e o banimento está em vigor", comentou.

Para Rafael Lewandowski Libertuci, a licença é suficiente "enquanto ele tiver o direito ao contraditório, ou seja, enquanto Del Nero estiver recorrendo da decisão da Fifa, que ainda é passível de revisão."

Por Ciro Campos e Raphael Ramos
Estadão Conteúdo

Imprimir