Cidadeverde.com
Geral

Sesapi está com estoque zerado de vacinas BCG e Hepatite B

Imprimir

A Rede de Frios da Secretaria Estadual de Saúde (Sesapi) está com o estoque zerado para as vacinas BCG e Hepatite B. A informação foi confirmada pela própria Sesapi, que aguarda regularizar a situação nesta sexta-feira (22) com a chegada de uma nova remessa das doses. As vacinas que estavam em estoque já foram liberados aos municípios. Teresina recebeu ontem 400 doses para abastecer as maternidades.  

A Sesapi ressaltou que "desde dezembro de 2018 não tem recebido regularmente os imunibiológicos do Ministério da Saúde. Além de vir em etapas, sem obedecer a um calendário apresentado pelo próprio órgão, as doses das vacinas estão sendo disponibilizadas em quantidade insuficiente para atender a demanda".

Os usuários em Teresina  denunciaram a ausência de vacinas ao Jornal do Piauí (vídeo acima). Com uma bebê recém-nascida, Alessandra não conseguiu encontrar a vacina para imunizar a filha na rede pública. A BCG atua contra a tuberculosa miliar e a meningite tuberculosa. 

Preocupada com a filha, ela decidiu pagar em uma maternidade privada o valor de R$ 80 pela vacina. "O bebê fica vulnerável. Então, a gente tem que fazer esse esforço para dar essa vacina porque não dá para esperar; o Estado está em calamidade. Imagine quantas mães não tem condições de pagar por uma vacina". 

"Eu estive na maternidade do Buenos Aires, me informaram que lá não tinha a vacina, e pediram para eu buscar em Timon porque em Teresina não tinha em lugar nenhum. Eu já tinha pedido para as pessoas buscarem na maternidade do Promorar, Dirceu, Evangelina Rosa, realmente foi uma peregrinação", disse. A BCG é uma das principais do calendário vacinal e deve ser aplicada nos primeiros meses de vida. 

O Conselho Municipal de Saúde de Teresina também denunciou a falta de vacina nos hospitais e na Maternidade Dona Evangelina Rosa (MDER).

"O Estado do Piauí não está repassando a vacina para o município de Teresina. Irei propor ao Colegiado do Conselho Municipal de Saúde que a Fundação Municipal de Saúde e a Secretaria de Estado da Saúde do Piauí dê as explicações devidas e sanar a falta da vacina. A criança não pode ficar sem vacina", diz Ivan Cabral, presidente do Conselho Municipal de Saúde de Teresina.

A Fundação Municipal de Saúde (FMS) anunciou que pediu cinco mil doses, mas não chegou a receber nem a metade. 

"Esse mês de fevereiro a gente costuma receber cinco mil doses, nós recebemos 1.400. Ontem recebemos 400, que hoje já foram distribuídas nas cinco maternidades. Se acabar logo, que eu acredito que não vá porque nãos e nasce 100, 400 crianças em um dia em Teresina, a vacina pode ser feita quando a gente receber o abastecimento", disse a gerente de vigilância a saúde da FMS, Amariles Borba.  

Amariles relata que a dificuldade no abastecimento de  vacina se arrasta desde 2018, mas não sabe explicar o motivo. Ela também relata a escassez das vacinas de Hepatite B, Tetano, Pneumo 10 e Meningite. 

A necessidade de peregrinar nos mais de 100 postos de vacina em Teresina também é comentando por Amariles Borba. "É procurar por outras salas de vacina porque há salas que fazem mais vacina do que outras", orienta a gerente.  


Rodrigo Nunes/MS

A Sesapi reforçou que somente neste ano já foram entregues 6.400 doses de BCG, sendo 400 para o município de Teresina, como citado pela doutra Amariles. 

"A equipe técnica da Coordenação de Imunização e Rede de Frio já contactaram com a Central Nacional de Distribuição expondo a irregularidade no fornecimento, que afeta não somente ao Piauí, como também aos demais Estados", acrescentou a Sesapi. 

Em contato com o Ministério da Saúde, a pasta destacou que a distribuição de vacinas estaria regular em todo o país. Disse ainda que o MS envia as vacinas aos estados, que fica responsável de distribuir às doses aos municípios, de acordo com a necessidade de cada um.  

 

Carlienne Carpaso
carliene@cidadeverde.com

 

Imprimir