Cidadeverde.com
Geral

Pai de Marielle diz que somente agora 'a ficha caiu'

Imprimir

Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

O pai da vereadora assassinada Marielle Franco, Antonio Francisco Neto, afirmou na manhã desta quinta-feira, 14,, na igreja da Candelária, no centro do Rio, que somente agora, um ano depois do crime, "a ficha caiu". Antonio Neto afirmou que, ao longo desses 365 dias, vinha se mantendo forte. "Hoje minha fortaleza ruiu", afirmou ele, ao chegar na igreja onde será celebrada, pela manhã, uma missa pelas almas de Marielle e Anderson Gomes, motorista assassinado junto com a vereadora do PSOL.

 

A necessidade de esclarecer os possíveis mandantes do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes manterá a cobrança sobre a Polícia Civil e o Ministério Público fluminense. O deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ), com quem Marielle  trabalhou, destacou que ainda é preciso revelar a motivação do crime.

“Quem matou Marielle não foi apenas quem apertou o gatilho. Quem matou Marielle foi quem planejou a sua morte, foi quem desejou a sua morte, foi quem contratou, foi quem politicamente desejou eliminar Marielle. É muito importante para o país saber quem mandou matar Marielle, qual o objetivo político e qual a motivação”, disse Freixo.

A irmã da vereadora, Anielle Franco, considerou que as prisões desta semana são um grande passo, e o pai dela, Antônio Francisco da Silva, disse que sua angústia diminui um pouco.

A viúva de Anderson Gomes, Ághata Reis, ponderou que as prisões são só um começo. “O que aconteceu foi muito maior do que a gente poderia imaginar. É realmente um divisor de águas. A prisão desses dois é só um começo, um pontapé. Tem muita coisa ainda para ser descoberta, para que a gente ponha um ponto final no nosso sofrimento. Queremos descobrir o mais rápido se houve um mandante”

A viúva de Marielle, Mônica Benício, afirmou que a solução completa do caso é um dever do Estado com a sociedade, a democracia e os familiares das vítimas. “A gente tem que pensar que mais importante que prender mercenários é responder à questão mais urgente e necessária de todas, que é quem mandou matar a Marielle e qual foi a motivação para o crime. Espero não ter que aguardar mais um ano para ter essa resposta”, disse Mônica.

Fonte: Estadão Conteúdo e FolhaPress

Imprimir