Cidadeverde.com
Geral

Empresário é preso suspeito de vender kits de documentos falsos a R$ 800

Imprimir
  • greco_(5).jpg Divulgação/Greco
  • greco_(4).jpg Divulgação/Greco
  • greco_(3).jpg Divulgação/Greco
  • greco_(2).jpg Divulgação/Greco
  • greco_(1).jpg Divulgação/Greco

O Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco) prendeu, nesta terça-feira (2), Francisco Alves Silva, 46 anos. Ele é suspeito de vender documentações falsas em Teresina. A prisão foi feita em uma loja de água mineral no bairro Vermelha, zona Sul da capital. 

O coordenador do Greco, delegado Tales Gomes, disse ao Cidadeverde.com que os principais compradores das documentações falsas são membros de organizações criminosas que roubam carros no Estado. 

A confecção e venda das documentações eram feitas em um escritório localizado nos fundos da loja de água mineral, na qual Francisco é proprietário. 

“Ele  [Francisco] foi citado em investigações da Greco como fornecedor de documentações para quem roubava carro. Com ele, encontramos cédulas em branco para emissão de Certificado de Registro e Licenciamento de Veículos (CRLV) e cédulas para emissão de Carteira de Identidade (RG)”, conta o delegado.

 A polícia encontrou no escritório 143 cédulas de identidade em branco, centenas de certidões de óbito e nascimento, cartões de créditos feitos a partir da documentação falsa, cheques,  vários envelopes de depósito bancário e R$6000. 

Foto: Letícia Santos/Cidadeverde.com

O preso vendia kits de documentos falso a R$800. “Ele cobrava R$500 por um RG, R$ 300 pela documentação do carro e R$ 800 por um kit com  RG, CPF, título e comprovante de residência”, acrescenta Tales Gomes. Um revólver e munições também estavam com o suspeito.

Francisco Alves Silva será autuado por uso de documentação falsa, falsificação de documento público e estelionato. 

No momento da prisão dele, um outra pessoa identificada como José Aldernir Siqueira Melo foi detida. Ele estava com Francisco, mas ainda não comprovações do envolvimento dele nas fraudes.

Fiança será arbitrada e José Aldenir não deve continuar detido.  


Izabella Pimentel
redacao@cidadeverde.com 

Imprimir