Cidadeverde.com
Esporte

'Se Corinthians jogar como foi contra o Santos, São Paulo é campeão', diz Andrés

Imprimir

O presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, cobrou o time e o técnico Fábio Carille em entrevista coletiva realizada nesta quarta-feira na sede da Federação Paulista de Futebol (FPF), na capital, para promoção da final do Campeonato Paulista contra o São Paulo. O dirigente pediu que a equipe apresente um melhor futebol em relação ao clássico contra o Santos, na última segunda, pelas semifinais.

"Se meu time jogar como foi com o Santos, o São Paulo é campeão. Temos de jogar muito melhor. A comissão técnica sabe disso. Se não for, o São Paulo vai ser campeão", afirmou. O presidente do São Paulo, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, presente também na entrevista, aproveitou para brincar. "Bonitas palavras, presidente".

O dirigente também minimizou o fato de o atacante Clayson ter sido denunciado no Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo (TJD-SP) por ter xingado o árbitro Raphael Claus em vídeo divulgado pela TV Corinthians. "Isso aí... O Clayson xingou o Cássio também... Mas não tenho medo (de perder ele para a final na Arena Corinthians). Se não jogar o Clayson, joga outro", comentou.

São Paulo e Corinthians se enfrentam neste domingo, às 16 horas, no estádio do Morumbi, no jogo de ida da final. A volta está programada para o próximo dia 21, na Arena Corinthians. Mesmo com um período sem partidas na arena, Andrés informou que o gramado não terá condições ideais para a decisão.

"Não adianta esconder. Erramos, devíamos ter parado no começo do ano e não recuperou. Agora, depois do Paulista, vamos arrumar. Vamos jogar onde estiver disponível: Baureri, Pacaembu, Brasília ... Só sei onde não jogaremos: no Allianz Parque (do Palmeiras) não vamos e no Morumbi não vamos. Temos de achar um estádio", afirmou.

Até pelas condições ruins do gramado, Andrés descartou qualquer possibilidade de fazer um treino aberto para os torcedores. "O treino aberto foi algo inédito. Agora virou comum. Está tão chato... Na última vez (antes do clássico contra o Palmeiras) teve briga para horário. Corinthians não vai fazer mais isso", disse.

Por João Prata
Estadão Conteúdo

Imprimir