Cidadeverde.com
Geral

Rita Lee vai contar a história da ursa Rowena em livro infantil

Imprimir

(Foto: Instagram/ Rancho dos Gnomos)

A ursa estava tão triste que andava em círculos, gastando o chão de sua jaula. Estava tão triste que havia perdido grandes áreas de sua pelagem, até do rosto, quase pelado. Tão triste que seu peso normal de 200 quilos havia se reduzido pela metade.

Assim caminhava a ursa siberiana Marsha no zoológico de Teresina, cega e sob temperaturas de 40 graus. Era uma ursa tão, mas tão triste que ganhou na internet o apelido de "a ursa mais triste do mundo".

Que bom que essa história tem um final feliz. Depois de um abaixo-assinado que firmado por 238 mil pessoas em cinco continentes e muito trabalho de veterinários, celebridades e associações protetoras de animais, a ursa foi trazida de avião a um santuário paulista há seis meses, onde sua vida se transformou.

Marsha agora também inspira um livro infantil de Rita Lee. Com o nome "Amiga Ursa, uma História Triste, mas com Final Feliz", é uma obra ilustrada por Guilherme Francini e será lançada em julho pela Globo Livros.

E esse conto começa na Rússia, onde se acredita que Marsha tenha nascido. Com cerca de um ano de idade, ela foi traficada para o Brasil, talvez com irmãos, para trabalhar em circos. O fato de muitos desses circos circularem pelo Nordeste brasileiro, com suas altas temperaturas, e Marsha ser uma ursa parda vinda de um dos países mais frios do mundo é um algo que dá mais crueldade à história.

Segundo Tito Willian Tito, vice-presidente da Confederação Brasileira de Proteção Animal, a CBPA, a maioria dos ursos vinham da Rússia nos anos 1980 e 1990, onde as leis eram mais brandas. O primeiro registro da existência de Marsha em terras nacionais foi em 1996, quando ela estava em treinamento pelo circo Vostok, em São Paulo.

Na ocasião, outra ursa em treinamento, a Kátia, então com três anos, fugiu e provocou um acidente entre uma Belina e uma Elba na Radial Leste. Segundo reportagem deste jornal na época, ela se assustara com um leão, escapou do picadeiro por uma fenda na lona do circo e tentou voltar à sua jaula. Como a encontrou fechada, circulou por 15 minutos pela avenida até ser resgatada pelo treinador Vladimir Figurov.

"Me assustei quando vi um urso na minha frente", disse o motorista da Elba, que deu um cavalo de pau e acertou a Belina. "O animal até que é bonitinho, mas em outras circunstâncias, como no circo."

O relato citava outros ursos siberianos, entre eles a colega Maska, que viria a se chamar Marsha tempos depois. Tanto Kátia quando Marsha seriam vendidos a um circo menor que atuava no Nordeste.

Por cerca de 15 anos, ela andou de patinete, skate, bicicleta e até moto para divertir humanos. Segundo Tito, esse treinamento é feito à base de pancadas, choques e jejuns. Viveu com outros três ursos em uma jaula de quatro metros quadrados. Sua alimentação era só ração de cachorro.

Em 2011, uma denúncia de maus tratos levou o Ibama a resgatar Marsha, Kátia, Ira e Misha do circo. Kátia foi levada a um zoológico de Canindé, no Ceará, e os outros três ao da capital do Piauí.

Ali, Ira e Misha morreram e, deprimida, Marsha passou a apresentar comportamento doentio de repetição de movimentos, além de uma decadência física. Há cinco anos, Marsha chamou a atenção do grupo de proteção animal.

"Fizemos imagens da ursa indo e voltando e fazendo esse buraco no chão", conta Carolina Moura, da CBPA. "O calor de Teresina é biologicamente incompatível com a espécie."

Com dificuldades para convencer as autoridades piauienses e retirar o urso do calor, Moura abriu o abaixo-assinado e chamou a atenção do Brasil. Foi aí que surgiu o apelido de ursa mais triste do mundo.


Ursa quando ainda estava em Teresina se preparando para deixar o zoológico. Foto: Luccas Araujo/Cidadeverde.com

A atriz Alexia Dechamps encampou o projeto e Gloria Pires gravou vídeo pedindo aos políticos locais que liberassem Marsha, o que finalmente aconteceu. A apresentadora Luisa Mell se prontificou a construir um recinto com tanque e queda d'água para a ursa, por meio de seu instituto, a um custo de cerca de R$ 100 mil. O destino de Marsha foi o Rancho dos Gnomos, em Joanópolis, no interior paulista.

Para transportar o animal, que pesava só cem quilos na época, Carolina Moura conseguiu uma carona em um avião da Força Aérea Brasileira, em setembro do ano passado. O calor era tanto naquele dia que uma veterinária sangrou pelo nariz, o fotógrafo vomitou e o celular de Luisa Mell deu pane.

"Estava 41 graus, mas a sensação térmica era de 48", lembra Dechamps, que acompanhou o resgate, fazendo vídeos para cerca de 10 mil seguidores ao vivo. O grupo do Rancho dos Gnomos levou veterinários ao Piauí e logo se constatou que Marsha era cega.

"Ela teve problemas com a escada para entrar e sair do caminhão", conta a veterinária Carla Spechoto Mariano. "Ainda não sabemos se é totalmente cega, mas, se não for, enxerga muito pouco." Ela notou ainda o pelo totalmente ressecado e muitas áreas calvas, pele com crostas de sebo, malnutrição e a presença de vermes como giárdia.

O Rancho dos Gnomos, que acolheu Marsha, é um santuário de animais criado pelo casal Silvia e Marcos Pompeu há 28 anos. Instalado antes em Cotia, hoje está de mudança para Joanópolis. Falta, entretanto, recinto (aqui não existe a palavra jaula) para todos os bichos –são 12 grandes felinos, 18 macacos, sete veados, uma centena de cães e gatos, além de araras, dois bois, o burro Zebrito, a porca Belinha e agora uma ursa.

Tudo ali, inclusive a alimentação dos animais, vem de doações. Um pouco de dinheiro entra por meio do ecoturismo, no qual você pode passar um fim de semana hospedado e trabalhando no local.

Como acontece com todos os animais resgatados de circos ou zoológicos, Marsha recebeu um novo nome quando chegou, há sete meses, Rowena. "Significa recomeço. Ela nunca mais vai ouvir o nome que é ligado à época em que sofria torturas", explica Silvia.

Nesse tempo, Rowena dobrou de peso, renovou totalmente sua pelagem e agora, em vez de apenas ração para cachorros, também come carne, ama ovos e mel, além de frutas (manga, mamão, melancia, laranja, goiaba, melão, banana, uva, carambola e abacaxi) e legumes (cenoura, tomate, batata doce, pepino, couve, brócolis e acelga). Seu prato preferido é beterraba.

Além do livro de Rita Lee, inspirado na história, o vice-presidente da CBPA está escrevendo "Ursa Maior - Marsha, a Libertadora", que vai detalhar a vida de Rowena, os bastidores de seu resgate e pretende abrir o caminho para que outros sete ursos em zoológicos do Nordeste sejam mandados para o sul do país.
Há dez dias, quando a reportagem visitou Rowena no santuário, ela tomou suco e nadou no tanque. 

"Ela, que passou a vida toda em cativeiro, infelizmente não pode voltar à natureza, pois não saberia sobreviver lá", explica Luisa Mell, cujo instituto já bancou um segundo recinto no rancho, agora para Katia e Dimas. 
"Rowena já perdeu sua dignidade, já perdeu seu ambiente, já perdeu tudo nessa vida", diz Marcos Pompeu, do Rancho dos Gnomos. "Mas aqui ela pode saber que também há humanos bons."

Fonte: Ivan Finotti/Folhapress

Imprimir