Cidadeverde.com
Política

Firmino garante auxílio do Governo Federal para famílias atingidas por chuvas

Imprimir

Foto: Ascom

O Governo Federal reconheceu a situação de emergência de Teresina e garantiu auxílio às famílias atingidas pelas fortes chuvas na capital. O prefeito Firmino Filho esteve reunido com o secretário Nacional de Proteção e Defesa Civil do Ministério do Desenvolvimento Regional, Alexandre Lucas, nesta quarta-feira (17) e espera agilidade nas ações do Governo Federal para uma recuperação rápida da comunidade.

“O Governo Federal nos deu dois tipos de respostas, uma emergencial, que vai auxiliar a cidade na parte de aluguel, alimentação e limpeza. Também nos foi garantido apoio na recuperação da comunidade. Mas ainda não está claro se essa ajuda vai incluir completamente a questão da habitação, que precisa ser encaminhada diretamente para as autoridades que cuidam do Minha Casa Minha Vida”, destacou o chefe do executivo municipal.

O programa Minha Casa Minha Vida é o único programa habitacional do Governo Federal e o prefeito Firmino Filho assegurou que vai continuar persistindo junto ao Governo para alcançar assistência nos investimentos de restabelecimento da comunidade.

De acordo com o secretário Alexandre Lucas, o Ministério do Desenvolvimento Regional atua de maneira complementar na ajuda às cidades. “Vamos reconhecer a situação de emergência assim que a documentação completa chegar ao Ministério e vamos liberar o recurso para, principalmente, restabelecimento da situação mediante aquilo que for colocado pela Prefeitura nos nossos sistemas de plano de trabalho”, explicou.

Alexandre Lucas argumentou ainda que há uma legislação no Ministério do Desenvolvimento que apresenta o que pode ou não ser atendido. “Se os pleitos de Teresina se enquadrarem naquilo que é possível atender de maneira legal, o recurso será liberado o mais rápido possível. Depende muito mais da inserção da documentação, da elaboração desse plano de trabalho, porque aqui temos que fazer rápido, porque emergência não pode esperar”, concluiu.


Da redação
[email protected]

Imprimir