Cidadeverde.com
Esporte

D'Ale estuda processo contra atletas da base do Grêmio por ofensas na web

Imprimir

Ídolo do Inter, o meia D'Alessandro estuda processar dois jogadores da base do Grêmio por ofensas na internet durante o clássico Gre-Nal da última quarta-feira. Os atletas fizeram postagens no Twitter com palavras contra o argentino de 38 anos em meio ao jogo.

D'Ale foi expulso mesmo tendo ficado no banco de reservas. O cartão vermelho veio em razão de uma discussão com o quarto árbitro na marcação de um pênalti a favor do Grêmio após revisão do lance pelo árbitro de vídeo.

Em contato com a reportagem, o advogado responsável pela pauta, Mateus Marques, disse que ainda irá tomar conhecimento de teor das postagens na íntegra e que estuda entrar com processo.

E as reações de dois atletas da base do Tricolor nas redes sociais causaram irritação. O primeiro é o goleiro Gabriel Grando, 19, conhecido como Chapecó. Membro do 'time de transição', o similar a um time B, o atleta postou a seguinte frase: "Não dá nem conta da mulher, vai dar conta do Rio Grande do Sul", acompanhado por um emoji.

Em seguida, Gabriel utilizou a mesma rede social para postar um pedido de desculpas. "Peço desculpas a todos os torcedores que ficaram ofendidos com meu tweet sobre D'Alessandro. Acabei agindo no impulso, e no calor do momento. Reconheço meu erro", escreveu o goleiro, que posteriormente deletou seu perfil no microblog.

Outro foi o zagueiro Ruan Tressoldi, 19. O defensor escreveu as seguintes frases, também no Twitter, durante o último clássico. "Blog para o D'Alessandro. Nem sabe que existem. Depois tão (sic) chorando em casa porque o personal tá deitado na cama com a mulher, ficam fazendo blog para homem".

Ruan ainda respondeu o pedido de desculpas feito por Gabriel. "Não se sujeita a isso, meu, apaga que é chacota, não tem porque te processar. São uns comédia (sic)", escreveu ao colega também no Twitter.

Não seria a primeira vez que o gringo entraria com processos neste tom. No ano passado, o camisa 10 procurou a Delegacia de Polícia de Repressão a Crimes Informáticos com um relatório de ofensas contra ele e familiares nas redes sociais. Após a abertura de inquérito, 11 pessoas foram indiciadas pelo crime de difamação.

Fonte: UOL/FOLHAPRESS

Imprimir