Cidadeverde.com
Geral

Banco de Alimentos da Nova Ceasa doa 20 toneladas de alimentos a entidades

Imprimir

Foto: Ascom

Educação, saúde e assistência social. Esses são os pilares da Fundação Viver com Dignidade, localizada na zona sul de Teresina, uma das 22 entidades beneficiadas pelo Banco de Alimentos da Nova Ceasa. Diariamente, cerca de 230 crianças de 6 a 12 anos de idade participam de atividades de leitura e lazer, nos turnos manhã e tarde, a fim de resgatar a autoestima e mudar a realidade em que estão inseridas.

Desde o ano passado, a fundação recebe semanalmente os alimentos doados pelos permissionários da Nova Ceasa. São frutas e verduras que, por não serem considerados apropriadas para a comercialização, seriam descartadas.

A presidente da entidade, Maricildes da Silva, só tem motivos para agradecer pela parceria. Segundo ela, antes do Banco de Alimentos, as crianças não tinham lanche, uma vez que a instituição se mantém com pequenas doações, convênios e parcerias.

“Acredito que a solidariedade passa não só pela questão da doação financeira, mas também pela doação humana. E essa é a primeira doação que a gente percebe nesse projeto do Banco de Alimentos. Como instituição, nós só temos a agradecer e também enaltecer esse projeto que já existe. Nós que ficamos na ponta, que recebemos mesmo de fato essa doação, percebemos o quanto que evoluiu na questão do alimentar vidas. Vem para complementar aquilo que nós já tínhamos. Havia situações que nós não tínhamos alimentos para dar às crianças. E a gente percebe a alegria das crianças quando tem algo para elas se alimentarem”, comenta Maricildes, que ressalta ainda que o programa também serve para conscientizar as crianças e os pais sobre o reaproveitamento de alimentos e a importância de uma alimentação saudável.

No último mês, o Banco de Alimentos arrecadou 20 toneladas de alimentos, das quais cerca de 14 toneladas foram destinadas às 22 entidades que integram o programa, alimentando mais de cinco mil pessoas. O programa é fruto de uma parceria público-privada (PPP), realizada por meio da Superintendência de Parcerias e Concessões do Piauí (Suparc).

A superintendente de Parcerias e Concessões, Viviane Moura, esclarece que o contrato de PPP já previa a implantação, funcionamento e operação do Banco de Alimentos, cuja obra havia sido iniciada pelo Estado e foi concluída pela concessionária que administra a Nova Ceasa.

“De um ano para cá, o Banco de Alimentos vem alimentando muitas vidas. Essa equipe maravilhosa da Nova Ceasa vem atuando de uma forma extremamente comprometida com esse projeto, que é um projeto social dentro de uma PPP. Eles cadastraram as entidades e são responsáveis por arrecadar os alimentos dos permissionários, que são os efetivos doadores do projeto. A Nova Ceasa faz, então, a triagem, a separação, o acondicionamento e prepara os alimentos para doação. Além disso, acompanha a utilização desses alimentos pelas entidades. Avançando um pouco mais, eles já estão trabalhando nos projetos gastronômicos, a fim de fazer com que essas entidades utilizem esse alimento de todas as formas, que nada seja perdido”, explica Viviane Moura.

Janice Lustosa, coordenadora técnica do Banco de Alimentos, explica que esse é o primeiro projeto social do Piauí que trabalha com a sustentabilidade alimentar. Segundo ela, é possível o reaproveitamento integral dos alimentos, uma vez que aqueles que não são próprios à alimentação humana são destinados à alimentação animal, por meio de um cadastro.

“A gente também tem um cadastro de pessoas que trabalham com alimentação animal e os alimentos que seriam descartados e iriam para um aterro sanitário são destinados a elas. Então, são 20 toneladas que estão deixando de ser resíduos e estão sendo totalmente aproveitadas tanto para alimento humano quanto para alimentação animal”, completa a coordenadora.


Da redação
[email protected]

Imprimir