Cidadeverde.com
Esporte

Palmeiras goleia Santos no Pacaembu e se torna líder isolado do Brasileiro

Imprimir
  • palmeiras-santos-11.jpg Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação
  • palmeiras-santos-10.jpg Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação
  • palmeiras-santos-9.jpg Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação
  • palmeiras-santos-8.jpg Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação
  • palmeiras-santos-7.jpg Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação
  • palmeiras-santos-6.jpg Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação
  • palmeiras-santos-5.jpg Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação
  • palmeiras-santos-4.jpg Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação
  • palmeiras-santos-3.jpg Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação
  • palmeiras-santos-2.jpg Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação
  • palmeiras-santos-1.jpg Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação

Líder isolado do Campeonato Brasileiro, atual campeão, dono do melhor ataque e da melhor defesa e ainda com uma atuação de gala contra um rival em confronto direto pela ponta. Esse é o Palmeiras, que reúne todas essas condições e adiciona à receita o bom futebol para celebrar a goleada na noite deste sábado por 4 a 0 sobre o Santos, no Pacaembu. O time do técnico Luiz Felipe Scolari chegou aos 13 pontos aos gritos de "olé" e abriu vantagem na classificação.

A chave para a vitória convincente foi reunir a capacidade técnica do time à postura decidida de quem demonstrou um apetite imenso para ganhar. Embora seja conhecido pelo estilo pragmático e criticado às vezes pelo futebol de resultados utilizado, Felipão mostrou o quanto sabe ser ofensivo tanto quanto o treinador Jorge Sampaoli, do Santos. O argentino errou na escalação e viu o seu time ser dominado.

O Palmeiras acumula agora 28 jogos seguidos sem perder no Brasileirão e se firma cada vez mais como um dos favoritos ao título da competição. Além de ter vencido um adversário direto e com quem estava empatado antes do início da rodada, a equipe cativou aplausos pois poderia ter feito um placar ainda maior.

O encontro entre os dois líderes do Brasileiro e entre dois dos técnicos mais badalados da competição começou com cordialidade. Felipão e o colega Sampaoli trocaram um longo abraço e conversaram por um bom tempo antes do jogo. Outra demonstração de amizade veio no encontro do palmeirense Gómez com o santista Derlis González. Os dois paraguaios se conhecem há bastante tempo e são colegas de seleção.

Quando o jogo começou, as gentilezas vieram só do lado santista. Um time mal posicionado deu espaços e deixou o adversário jogar. Os laterais Victor Ferraz e Jorge não foram escalados e deixaram a equipe com dificuldades na saída de bola e com muito espaço na defesa. A marcação avançada imposta pelo Palmeiras encurralou Felipe Jonatan pela esquerda e Alison pelo meio.

O ritmo forte do time alviverde deu resultado logo aos cinco minutos. Dudu cobrou falta e Gómez desviou de cabeça para marcar O gol ainda levou um tempo para ser verificado pelo árbitro de vídeo até a confirmação. Pouco depois, o Palmeiras acertou a trave. O atual campeão brasileiro acuou o Santos, com muita marcação dos jogadores ofensivos e um grande cerco aos volantes adversários durante a saída de bola.

A postura combativa gerou o segundo gol aos 18 minutos. Zé Rafael insistiu, desarmou Diego Pituca e serviu para Dudu cruzar Deyverson desviou de leve e ampliou. O placar justo de 2 a 0 quase aumentou nos minutos depois, já que o Palmeiras tinha liberdade a ponto de trocar passes dentro da área adversária. O Santos estava atordoado, principalmente pela falta de marcação no lado esquerdo.

Sampaoli reagiu ao inverter posições e conter uma desvantagem ainda maior. Para o segundo tempo, o Santos voltou com o meia Jean Mota para conseguir levar mais perigo ao Palmeiras. Mas deu errado. O já desorganizado e caótico sistema de marcação ficou ainda mais vulnerável e o time levou outro golpe aos seis minutos. Em contra-ataque, Raphael Veiga chutou, a bola desviou em Aguilar e tirou as chances de Vanderlei: 3 a 0.

O placar elástico se manteve pois o Palmeiras estava inspirado até na defesa. Weverton fez milagre em uma tentativa de Soteldo e teve sorte ao ver a bola tocar no travessão em cobrança de falta de Cueva. As substituições de Sampaoli não ajudaram o Santos e até fizeram o time ficar mais exposto na defesa. O Palmeiras perdeu pelo menos outras duas chances claras na frente do goleiro.

Nos minutos finais, ainda teve o golpe de misericórdia. O atacante Dudu puxou contra-ataque, cruzou grande parte do campo e só rolou para Hyoran completar e confirmar a goleada. Um placar incontestável, com uma atuação sublime e motivos de sobra para a torcida comemorar e repetir o mantra do ano passado: segue o líder.

O próximo compromisso do Palmeiras será pela Copa do Brasil, quarta-feira, fora de casa, contra o Sampaio Corrêa. O Santos, que parou nos dez pontos no Brasileirão e caiu para o quarto lugar, tentará se reabilitar na sexta rodada, contra o Internacional, na Vila Belmiro. 

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 4 X 0 SANTOS
PALMEIRAS - Weverton; Marcos Rocha, Luan, Gómez e Diogo Barbosa; Felipe Melo, Bruno Henrique (Thiago Santos) e Raphael Veiga (Moisés); Dudu, Zé Rafael (Hyoran) e Deyverson. Técnico: Luiz Felipe Scolari.
SANTOS - Vanderlei; Felipe Aguilar (Victor Ferraz), Lucas Veríssimo e Gustavo Henrique; Carlos Sanchez, Diego Pituca, Alison, Jean Lucas (Jean Mota) e Felipe Jonatan (Cueva); Soteldo e Derlis González. Técnico: Jorge Sampaoli.
GOLS - Gómez, aos 5, e Deyverson, aos 18 minutos, minutos do primeiro tempo. Raphael Veiga, aos 6, e Hyoran, aos 42 minutos do segundo tempo.
ÁRBITRO - Rafael Traci (SC)
CARTÕES AMARELOS - Derlis González, Dudu, Gustavo Henrique, Alison, Victor Ferraz, Felipe Melo.
RENDA - R$ 987.830,00.
PÚBLICO - 30.058 pagantes.
LOCAL - Estádio do Pacaembu, em São Paulo.

Por Ciro Campos
Estadão Conteúdo

Imprimir