Cidadeverde.com
Geral

Justiça decide se acusado de matar PM na frente do filho vai a júri popular

Imprimir

Foto: arquivo pessoal

Cabo Samuel Borges foi morto próximo a uma escola na zona Leste de Teresina

Testemunhas de acusação e defesa serão ouvidas, nesta segunda-feira (27), durante audiência de instrução e julgamento do soldado da Polícia Militar do Maranhão, Francisco Ribeiro dos Santos Filho, acusado de matar o cabo da PM-PI, Samuel de Sousa Borges. O crime ocorreu em feveiro deste ano na zona Leste de Teresina após uma discussão. A vítima foi assassinada a tiros na frente do filho. 

Caso seja pronunciado, o acusado vai a júri popular. Ele foi denunciado pelo Ministério Público do Piauí por  homicídio duplamente qualificado, por motivo fútil e utilização de recurso que dificultou a defesa do ofendido, em concurso com o delito de porte ilegal de arma de fogo.

"Até agora, as provas reunidas no processo são depoimentos de testemunhas colhidas na fase inquisitorial e provas documentais, entre estas periciais. Foram arroladas seis testemunhas por parte da acusação", disse o advogado Walter Meneses, que atuará como assistente da acusação.

O juiz tem até dez dias para proferir a decisão, mas o prazo pode ser estendido. 

Foto: Cidadeverde.com

O acusado permanece no sistema prisional do Piauí. Em fevereiro, a defesa solicitou a transferência para um Batalhão da PM no Maranhão, mas a Justiça negou a transferência. Francisco Silva, advogado do acusado, defende a tese de legítima defesa. 

"Serão quatro testemunhas de defesa. Vamos apresentar aúdios e fotos de vítimas do cabo Samuel que corroboram com a tese de legítima defesa. Cabe esclarecer que a segunda arma que ele estava não era adulterada e que também não houve tiro pelas costas", disse o advogado ao Cidadeverde.com

A audiência está marcada para as 8h30, no Tribunal de Justiça do Piauí.

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Imprimir