Cidadeverde.com
Geral

Trabalhadores deflagram "greve geral" em Teresina e lotam ruas

Imprimir
  • dds.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Sem-Título-18.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Sem-Título-17.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Sem-Título-16.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Sem-Título-15.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Sem-Título-14.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Sem-Título-13.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Sem-Título-12.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Sem-Título-11.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Sem-Título-10.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Sem-Título-9.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Sem-Título-8.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Sem-Título-7.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Sem-Título-6.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Sem-Título-5.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Sem-Título-4.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Sem-Título-3.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • dentro.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com

Atualizada às 12h

O presidente do Sintetro, Francisco Feijão, confirmou que que os motoristas e cobradores do transporte coletivo retornaram às atividades por volta de 12h e os ônibus já circulam normalmente.

Atualizada às 10h54

Na Rua Paissandú um pequeno tumulto foi registrado em frente a uma loja de eletrodomésticos. Por onde passavam, os manifestantes pediam para que os comerciantes baixassem as portas, mas o gerente do estabelecimento se recusou e só atendeu ao pedido após gritos de "fecha, fecha". 

No tumulto uma bomba foi jogada em frente à loja. Outro pequeno incidente ocorreu na Avenida Maranhão, quando um motociclista tentou furar o bloqueio e passar de moto entre os manifestantes.

Para o secretário de juventude da CUT-Piauí, Herbert Marinho, a luta é para retirar de pauta a reforma. 

"Não queremos a mudança na presidência, que só agride mulheres, professores e trabalhadores. Para se aposentar a pessoa teria que trabalhar mais de 40 anos e não queremos isso. A nossa luta é para que a reforma seja retirada de pauta", disse Marinho. 

Fotos: Roberta Aline/Cidadeverde.com

O presidente do Sintetro, Francisco Feijão, confirmou que a categoria que os motoristas e cobradores  do transporte coletivo permanecerão de braços cruzados até o meio- dia e não até às 14h. Por volta 9h30 da manhã o tráfego de veículos na Rua Areolino de Abreu foi liberado, mas os ônibus saíram direto para as garagens. 

Atualizada às 09h35

Por volta das 8h, 100% da frota do transporte coletivo foi paralisada, em protesto dos motoristas e cobradores contra a reforma da Previdência. 

Uma longa fila de ônibus se forma na Rua Areolino de Abreu, no Centro da cidade, e a previsão, de acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário (Sintetro), é que o retorno das atividades aconteça às 14h. 

"O fator que mais prejudica a gente é colocar todos os trabalhadores na mesma balança. Quem trabalha no sistema de transporte público é diferente de quem passa o dia no escritório. Nosso trabalho é muito estressante. Essa proposta de igualar a idade é muito prejudicial”, disse o motorista Miguel Arcanjo.

Representantes de sindicatos, movimentos estudantis e de partidos políticos discursam contra as mudanças nas regras na aposentadoria. Eles dizem que "não vão tirar os direitos dos trabalhadores".

Na Praça Rio Branco os manifestantes vão percorrer a Avenida Maranhão,  em seguida, irão ao Palácio de Karnak.  Logo depois, partem para Avenida Frei Serafim.

Desde as primeiras horas da manhã o movimento #GreveGeral em Teresina tem tido uma boa adesão. 

A dona de casa Lauriana Oliveira trouxe os filhos de quatro de 4 e 12 anos para participar do movimento. "Meu marido está desempregado. Na escola do meu filho tem dias que não tem aula por falta de professor. Estou com meus filhos para protestar contra tudo que está acontecendo no Brasil e para que eles, desde pequenos, tenham consciência", disse a manifestante que faz parte do movimento Luta Popular.

Foto: Ascom/Sindespi

A diretora do Sindicato dos Trabalhadores da Saúde Pública (SINDESPI), Geane Sousa, ressaltou a importância da mobilização sobre as pautas dos trabalhadores do Estado.

 “A categoria da saúde pública do Piauí está aqui presente dizendo não a essa proposta de reforma que prejudica a classe trabalhadora e também reivindicando nossas pautas que há anos são cobradas ao Governo do Estado, e são ignoradas pelo governador Wellington Dias”, disse.

 

Representantes da Adufpi, Fetag, DCE da Ufpi, Sindiserm, Sindicatos dos Bancários, CUT, dentre outras categorias, participam do movimento. 

Matéria original

Motoristas e cobradores de ônibus vão paralisar a frota a partir das 8h, desta sexta-feira (14). A concentração da categoria ocorre na Rua Areolino de Abreu, em frente ao prédio do INSS, no centro de Teresina. 

A paralisação faz parte da greve geral contra a Reforma da Previdência e reúne centrais sindicais de todo o país. Até o momento não há a confirmação se os comerciantes vão aderir ao movimento.

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinte-PI) informou que a categoria entra em greve por tempo indeterminado também nesta sexta.


Flash Graciane Sousa
redacao@cidadeverde.com

Imprimir