Cidadeverde.com
Viver Bem

Acrilamida: conheça o problema de superaquecer os alimentos

Imprimir

Para quem não conhece, a acrilamida é uma substância química considerada cancerígena para o ser humano. Ela é produzida quando os alimentos são superaquecidos durante o preparo. Ou seja: se a comida for cozida, frita ou grelhada em altas temperaturas, os aminoácidos e açúcares podem reagir, produzindo essa substância.

Para evitar a produção de acrilamida, o mais importante é não cozinhar, assar ou fritar alimentos em temperaturas muito elevadas. Vale destacar que essa substância é produzida em itens ricos em amido, como batata, trigo, milho, arroz, cereais, grãos e raízes.

Assim, o ideal é não tostar alimentos como pães e torradas ou tubérculos como batata, beterraba e aipim. O mais seguro é cozinhá-los durante pouco tempo e em uma temperatura mais baixa.

Sem frituras

Alimentos fritos, de forma geral, são fontes de substâncias maléficas - estimulam o acúmulo de gorduras no corpo e também podem conter a acrilamida. Portanto, é recomendável deixar de comer (ou evitar ao máximo) batata frita, salgadinhos de festa, carnes à milanesa e outras frituras.

Vale destacar que mesmo as frituras preparadas na air-fryer (sem óleo) podem ser maléficas. Afinal, por causa da alta temperatura da fritadeira, os alimentos podem produzir a acrilamida. Por isso, o mais indicado é realmente cozinhá-los na panela durante pouco tempo.

Moderação

A acrilamida também reside em bebidas e alimentos com muita cafeína: cafés, refrigerantes, alguns tipos de chás e achocolatados. Por isso, é bom também moderar no consumo desses itens.

 

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir