Cidadeverde.com
Geral

“Não podemos fortalecer a mendicância”, diz secretário sobre venezuelanos

Imprimir

Foto: Letícia Santos/Cidadeverde.com

Distribuídos em quatro abrigos em Teresina, a presença dos venezuelanos nos sinais de trânsito tem crescido e chamado a atenção da população com a mudança no cenário das ruas, desde maio quando chegaram os primeiros grupos. Imigrantes mulheres acompanhadas de crianças, muitas delas de colo, passaram a percorrer as ruas da capital em busca do que chamam de “coletas”, pequenas doações em dinheiro e comida.

Em entrevista à TV Cidade Verde nesta terça-feira (18), o secretário municipal de Cidadania, Assistência Social e Politicas Integradas (Semcaspi), Samuel Silveiro, foi bem direto quando pediu a população para não fazer doações nas ruas. “Nós não podemos fortalecer a mendicância, independente de qualquer contexto, de qualquer peculiaridade da culturas desse nossos irmãos venezuelanos que chegam a nossa cidade”, aconselhou.

Para o secretário, as doações devem ser feitas de maneira organizada pelas entidades da sociedade civil. “A entrega da esmola contraria toda a organização que estamos querendo fazer para acolher sem ferir a legislação do nosso país. É sabido por todos que esta situação e crianças em sinais vai de encontro, contraria, a nossa legislação”, alegou Samuel, adiantando que os Conselhos Tutelares devem fortalecer o monitoramento das crianças nas ruas.

A presença dos venezuelanos no Piauí motivou a vinda de representantes do Ministério da Cidadania e da Organização das Nações Unidas (ONU). O governo do Estado se comprometeu com a estruturação de quatro abrigos na capital. “A prefeitura faz o acompanhamento psicossocial e gestão dos abrigos”, explica Samuel.

Ainda de acordo com o secretário, o governo Federal se dispôs a liberar uma ajuda financeira humanitária para o Piauí, os recursos estão em aprovação. Ele também explica que o ministério repassou um histórico dos grupos para a prefeitura. “Eles recebiam uma ajuda financeira muito similar com o Bolsa Família aqui no nosso país. Essa ajuda acabou, foi cessada, e com isso eles vêm se espalhando pelo nosso território”, informou Samuel.

Segundo o secretário, as lideranças dos grupos de imigrantes dizem que o objetivo deles é chegar à Argentina.

Parque Rodoviários

Sobre as denúncia de atrasos nos repasses do programa Cidade Solidária às vítimas do Parque Rodoviário, o secretário garantiu que o pagamento bancário foi feito nessa segunda-feira (17).

Ele aponta para a proliferação de fake News que alegam um abandono por parte da prefeitura, das vítimas da tragédia na zona Sul. “Não temos apenas as 70 famílias do Parque Rodoviário. Hoje o programa Cidade Solidária tem aproxima 600 famílias dentro desse sistema de acolhimento”, destaca.

Valmir Macêdo
valmirmacedo@cidadeverde.com

Imprimir