Cidadeverde.com
Geral

Adolescente tinha "compulsão por matar" e planejou morte de colega, diz Polícia

Imprimir

Delegado Danúbio Dias/foto: Valmir Mâcedo

Um crime que parece filme macabro. Um adolescente foi apreendido na tarde desta terça-feira (16) e confessou que matou o estudante Ítalo Rodrigo, 16 anos, dentro de casa, no conjunto residencial Teresina Sul, zona sul da capital. O corpo estava no chão com pés e mãos amarrados e com um corte profundo na garganta.

Ao conceder entrevista, o delegado Danúbio Dias, que preside o inquérito, disse que o adolescente confessou espontaneamente o crime e afirmou que tinha "compulsão por matar". 

"Ele descreveu detalhadamente o crime. O que ele fez e o que motivou. Ele alega que tinha o impulso, uma compulsão de assassinar alguém e viu na vítima a oportunidade de realizar o desejo macabro dele", disse o delegado Danúbio Dias, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

"É uma pessoa totalmente indiferente ao que ele fez. Ele não demonstra nenhum sentimento de arrependimento. Ele não apresentou distúrbio mental, se mostrou uma pessoa consciente. Disse que as leis do país o ajudariam", disse o delegado.


Faca utilizada no crime e livro encontrado com o adolescente apreendido.

O livro "Mentes Perigosas" foi encontrado com o rapaz. Segundo apurado pelo Cidadeverde.com, a vontade do assassino era de tirar o coração da vítima. De acordo com a polícia, o jovem tinha compulsão por matar e encontrou na vítima a fragilidade para cometer o crime.

Segundo o delegado, como não havia indícios de luta corporal, o rapaz teria sido amarrado por consentimento. O assassino teria se aproveitado de uma brincadeira para render a vítima.

A família do adolescente que cometeu o crime esteve na tarde dessa terça (16) no DHPP. Visivelmente abalada, a mãe não quis gravar entrevista. Ela lamentava não acreditar no ocorrido.

Encontro

As informações preliminares apuradas pela polícia apontam que a vítima teria marcado um encontro com o assassino em sua casa onde morava com a irmã.

Uma amiga do jovem informou à polícia que ele avisou que receberia o assassino em sua casa às 9h. Os investigadores apuraram o endereço do jovem e encontrou indícios de que ele planejava fugir.

Segundo a polícia, no diálogo o adolescente procurou saber detalhes, incluindo a altura e o peso da vítima. "Ele sabia que a irmã da vítima retornaria em alguns minutos e saiu antes de ser encontrado, e pegou o ônibus", relatou o delegado.


Vítima Ítalo Rodrigo, 16 anos, morava com a irmã. 

Apreensão

No momento da apreensão na casa da avó, no bairro Satélite, zona Leste de Teresina, a polícia abordou discretamente o jovem, avisando que se tratava apenas de uma conversa com os amigos da vítima. O adolescente espontaneamente foi conduzido pelos policiais.

Segundo apurado pelo Cidadeverde.com, o jovem teria feito gestos, ao entrar no carro da viatura, com o dedo no pescoço, em alusão ao que teria feito.

Antes de confessar o crime ao delegado, o adolescente teria dito espontaneamente aos policias na viatura que era dele a autoria do crime.

Ainda de acordo com o apurado, o garoto também confessou que a vontade dele era de matar alguém. O jovem chegou a revelar na viatura que cobriu o rosto da vítima para que não visse os olhos, porque senão a vontade era de esfaquear ainda mais.

Manifestação

Amigos, parentes de Italo e moradores do Teresina Sul organizam uma manifestação na noite desta terça-feira (16) pedindo paz no bairro. “Tem muita gente aqui, até gente que não conhecia ele está aqui em frente à casa da mãe dele”, explica Emanuel Wesley, colega de Italo. O ato será realizado próximo ao Açai do Raydan, no Teresina Sul.

Depoimentos

Nas redes sociais, amigos e pessoas próximas lamentam a morte de Italo. “Por que tanta crueldade, minha ficha ainda não caiu”, diz uma amiga. “Você não merecia isso quem te conhece sabe”, lamenta outro.

Pelos depoimentos, é possível ver que Ítalo era um jovem querido e prestativo. “Lembro do dia que você se ofereceu a limpar o nosso apartamento pois estávamos com nossa filha internada, eu não consigo acreditar meu peito chora”, desabafa um amigo. 

Flash Valmir Mâcedo
[email protected]

Imprimir