Cidadeverde.com
Política

Tabata defende contratação de namorado e diz que fez campanha eleitoral na raça

Imprimir

Foto: Reprodução Instagram @tabataamaralsp

Após críticas por ter contratado o namorado por R$ 23 mil para trabalhar em sua campanha eleitoral, a deputada federal Tabata Amaral (PDT-SP), 25, falou nesta quarta-feira (24) sobre as atividades feitas por Daniel Alejandro Martínez Garcia, 24. Disse ter gratidão a ele e afirmou que sua vitória "foi construída na raça".

A informação do gasto de campanha veio à tona no fim de semana, nas revistas Veja e Exame. A contratação, também confirmada pelo jornal Folha de S.Paulo, foi declarada na prestação de contas da parlamentar.

Desde a revelação do caso, a assessoria da pedetista havia se limitado a informar que sua campanha cumpriu as leis eleitorais "na contratação de seus serviços e pessoas" e que todas as informações a respeito são públicas.

"O Daniel disse não a diversas oportunidades de emprego e postergou projetos profissionais, por vários meses, para poder trabalhar na minha campanha", escreveu Tabata, em redes sociais.

"Quem já fez campanha saindo do zero sabe que é muito difícil encontrar pessoas que queiram interromper suas carreiras por meses por algo tão pouco palpável e possível, e comigo não foi diferente."

Tabata, que também é colunista do jornal Folha de S.Paulo, protagonizou um debate político nas últimas semanas após contrariar seu partido e votar a favor da reforma da Previdência. Por causa da desobediência, ela foi suspensa de suas atividades partidárias e responde a processo da legenda que pode resultar em sua expulsão.

Na postagem desta quarta-feira, a deputada também explicou o trabalho feito por Daniel, que é colombiano e foi colega dela na Universidade Harvard, onde ambos se formaram.

Segundo a deputada, Daniel ajudou no planejamento de sua campanha, levantou informações que a auxiliaram "em cada fala, debate e evento" e coordenou a mobilização de voluntários.

De acordo com ela, o colombiano "gerou e alimentou com estratégias um banco de contatos de voluntários de campanha que alcançou um grande número de pessoas". Daniel também definiu "critérios para escolha dos bairros e locais que seriam prioritários na campanha de rua".

"Ele fez pesquisas, conversou com especialistas de educação e pobreza e teve um papel muito importante na construção de um documento de dezenas de páginas com minha visão e propostas para diversas áreas, de educação a moradia", descreveu.

No texto, Tabata reiterou sua gratidão a Daniel e à equipe que a auxiliou. Disse que todos "abriram mão de muitas coisas por acreditarem em um sonho coletivo". Ela também agradeceu às mais de 400 pessoas que doaram dinheiro.

"Minha campanha foi construída na raça com muito esforço e ajuda, e tenho muito orgulho de tudo o que construímos", declarou a sexta deputada federal mais votada em São Paulo.

A campanha da estreante recebeu R$ 100 mil do fundo eleitoral público encaminhados pela direção nacional do PDT. Ao todo, arrecadou quase R$ 1,3 milhão -a maior parte de doadores privados.

Ilações sobre atos ilegais

Também nesta quarta-feira, o gabinete de Tabata divulgou nota assinada pelo escritório que cuidou de suas contas de campanha. 

"A prestação de contas foi analisada criteriosamente por órgão técnico qualificado e julgada pelo Tribunal Regional Eleitoral, que aprovou as receitas e despesas contraídas durante o processo eleitoral", afirmaram no comunicado os advogados Tony Chalita e Flavio Henrique Costa Pereira, do Braga Nascimento e Zilio Advogados

"São, portanto, inadequadas quaisquer ilações sobre práticas de atos ilegais envolvendo a campanha da deputada", disseram eles, acrescentando que a parlamentar "cumpriu rigorosamente todas as exigências da legislação eleitoral".

Não há irregularidade na contratação de parentes ou cônjuge com verbas eleitorais. Súmula vinculante expedida pelo Supremo Tribunal Federal veda a nomeação deles em cargos comissionados.

O valor pago a Daniel, R$ 23 mil, foi o quarto maior despendido pela campanha da pedetista a um colaborador pessoa física no ano passado.

A descrição do trabalho dele divulgada nesta quarta-feira confirma o relato feito pelo coordenador nacional do Acredito, movimento de defesa da renovação política que Tabata ajudou a fundar.

Samuel Emílio escreveu em uma rede social, no sábado (20), que as atividades do colombiano eram facilmente mensuráveis, "a ver pelos mais de mil voluntários mobilizados pela campanha".

Ele disse que foi um dos voluntários e que atuou ao lado de Daniel. "Defender a Tabata neste momento é uma manifestação de apoio a todas as pessoas que acreditam que a nossa política merece pessoas comprometidas em resolver os problemas do país", afirmou o líder do Acredito.

Tabata também teve o apoio do RenovaBR, um programa criado por empresários para capacitar potenciais candidatos. A organização defende renovação política e boas práticas na vida pública.
Após a votação da reforma da Previdência, a deputada foi acusada de infidelidade partidária por líderes do PDT, que passaram a defender sua saída da sigla. O ex-presidenciável Ciro Gomes, que a incentivou a se candidatar em 2018, é um dos que agora pregam seu afastamento.

A reportagem tentou checar com a assessoria de Tabata se é correto se referir a Daniel Martínez como namorado da parlamentar. A resposta foi: "Não vamos comentar a vida pessoal da deputada, além do que ela já escreveu".

No texto, a parlamentar se referiu a ele apenas pelo nome. Em uma rede social, ela postou foto ao lado do colombiano em 30 de junho, durante viagem a Goiás.

Fonte: Folhapress

Imprimir