Cidadeverde.com
Política

Ao tomar posse no Incra, Tiago Vasconcelos diz que meta é a regularização fundiária

Imprimir
  • posse_tiago_vasconcelos_-12.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • posse_tiago_vasconcelos_-11.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • posse_tiago_vasconcelos_-7.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • posse_tiago_vasconcelos_-6.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • posse_tiago_vasconcelos_-5.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • posse_tiago_vasconcelos_-4.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • posse_tiago_vasconcelos_-3.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • posse_tiago_vasconcelos_-2.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • posse_tiago_vasconcelos_.jpg Roberta Aline / Cidade Verde

O ex-vereador de Teresina Tiago Vasconcelos (PSD) tomou posse como novo superintendente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) no Piauí.

A solenidade foi realizada nesta segunda-feira (29) e contou com a presença do deputado federal, Júlio César Lima, que o indicou para o cargo.

Tiago afirma que a principal missão à frente do órgão será  aumentar  as áreas com titulação da terra.

“É o objetivo principal. Vamos buscar titular. O estado do Piauí precisa apresentar uma reposta a esse índice pequeno. Apenas 10% de terras são tituladas. Precisamos fazer com que isso cresça. Há vários desafios para enfrentarmos. A equipe se reuniu conosco e colocou algumas dificuldades enfrentadas. Mas dialogando com o Governo Federal e buscando apoio da nossa bancada e servidores, vamos avançar bastante”, destacou.

O novo superintendente também terá como missão trabalhar para apurar denúncias de irregularidades em assentamentos do órgão.

“Essa é uma exigência do Incra nacional. É preciso fazer um levantamento dessa situação. Serão tomada as medidas necessárias para que a área possa ser ocupada por quem realmente precisa.  Inclusive acionando a Polícia Federal porque a área é de quem precisa dela.  Agora se o assentado se incluir dentro dos requisitos pré-estabelecidos, ele pode utilizar da forma como achar melhor”, explicou.

No comando da pasta, Tiago afirma que estará aberto ao diálogo com todos os grupos, como o próprio Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra ( MST). 

“Vamos dialogar com todos até mesmo, se for preciso, com o MST.  Estamos aqui para cumprir as metas que foram estabelecidas pelo Governo Federal e pelo Incra de Brasília. Na verdade, o papel é de servidor e conduzir a boa ação nessa busca da garantir a terra a quem precisa.Vamos dialogar com todas as entidades sociais.”, disse.

O Piauí possui 350 assentamentos rurais. Deste total, 220 são de responsabilidade do Incra e o restante do  Governo do Estado. 

 

Lidia Brito
lidiabrito@cidadeverde.com

Imprimir