Cidadeverde.com
Política

Cientistas do Brasil e do exterior reagem à demissão

Imprimir

Foto: Divulgação/Inpe

A exoneração do diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Ricardo Galvão, rapidamente motivou críticas de especialistas na área ambiental. Luiz Davidovich, presidente da Academia Brasileira de Ciências, elogiou tecnicamente Galvão e lembrou que é obrigação dos institutos de ciência e tecnologia transmitirem à sociedade a ciência que produzem. "Informar os dados que têm de modo transparente aumenta a confiabilidade", disse. 

Ao Estado, o especialista em sensoriamento remoto Matthew Hansen, da Universidade de Maryland (EUA), responsável pelo projeto Global Land Analysis and Discovery, que monitora desmatamento em todo o mundo, atestou que os dados do Inpe são precisos. "Dizer que o mapeamento é algo como opinião chega a ser um insulto a todo o trabalho duro que engenheiros e cientistas do Inpe fazem para fornecer dados precisos. O trabalho do Inpe é feito há décadas e avaliado por inúmeros outros pesquisadores independentes, tendo se provado medida altamente confiável das tendências de perda florestal na Amazônia brasileira, gostem dos resultados ou não."

Hansen disse ainda que "lançar calúnias, como foi feito pelo presidente do Brasil, enfraquece a missão do Inpe". Segundo ele, nenhuma outra nação tem o mesmo nível de registro de monitoramento de desmate. "Atacá-lo de modo tão abertamente político e irresponsável é, na melhor das hipóteses, desrespeitoso e na pior, perigoso."

Para Carlos Rittl, do Observatório do Clima, Galvão "selou seu destino ao não se calar diante das acusações atrozes de Bolsonaro ao Inpe". "Ao reagir, Galvão também preservou a transparência dos dados de desmatamento, ao chamar a atenção da sociedade e da comunidade internacional para os ataques sórdidos, autoritários e mentirosos de Bolsonaro e Ricardo Salles (ministro do Meio Ambiente) à ciência do Inpe", disse. 

'Trump tropical'

A prestigiada revista científica Nature publicou texto em que diz que o "Trump tropical" (em referência à afinidade de Bolsonaro com o presidente americano Donald Trump) "desencadeia crise sem precedentes para a ciência brasileira". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

 

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir