Cidadeverde.com
Geral

Preso confessa que matou estudante Gabriel Brenno e chora pedindo perdão

Imprimir
  • deivid.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • deivid1.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • deivid2.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • deivid3.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • deivid4.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • deivid5.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • deivid6.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • camelo.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • sergio.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com

Atualizada às 12h25

Ao ser apresentado pela Polícia Civil, Deivid Ferreira de Sousa, 34 anos, chorou e disse que estaria arrependido de ter assassinado o estudante Gabriel Brenno.

À imprensa, ele falou que queria pedir perdão "primeiramente a Deus" e revelou que não foi premeditado. "Eu só quero pedir perdão, primeiramente a Deus e depois aos familiares dele (estudante). Nada (premeditado)", fala, chorando, o suspeito do crime.

O delegado Sérgio Alencar, titular do 1º DP, disse que, em depoimento, Deivid confessou ter praticado o homicidio qualificado e, momento da prisão,  também chorou, demonstrou remorso e arrependimento. 

Vídeo Graciane Sousa/Cidadeverde.com
 

"Quando soube que estava sendo traído começou a planejar o crime contra o Gabriel. Houve um planejamento, ele rondou a pensão onde o  Gabriel estava, tinha uma arma que ele disse que comprou em 2018 e após execução fugiu sozinho", disse o delegado. 

A arma usada no crime ainda não foi apreendida. Segundo Deivid, o revólver foi jogado em um rio no Maranhão. 

"Vamos resolver na bala"

O diretor do Núcleo de Inteligência da SSP-PI, delegado Carlos César Camelo, informou que o preso declarou que teria sido ameaçado pelo estudante. 

"Ele alegou que trocou conversas de ameaça com a vítima que o teria ameaçado que ia resolver os problemas à bala.  Mas isso ainda vai ser objeto de investigação. Os telefones foram apreendidos", disse Carlos César Camelo. 

As investigações até o momento não revelaram a participação de um comparsa.

 

Casa à venda

Após o crime, o suspeito foi para a casa do pai em Timon-MA e em seguida para Matões, também no Maranhão. Ele retornou para Teresina há cerca de uma semana e articulava uma  nova fuga com ajuda de amigos e familiares que tentavam vender uma casa por R$ 80 mil para conseguir dinheiro. 

"Estavam vendendo a residência para ir embora de Teresina", informou o delegado.

 

Publicada às 11h21

Policiais do 1º Distrito Policial prenderam, na manhã desta quarta-feira (7), o mestre de obras Deivid Ferreira de Sousa. Ele é suspeito de matar o estudante Gabriel Brenno Nogueira, 21 anos, no último dia 17 de julho, quando o jovem saia de uma pensão no Centro de Teresina. Um vídeo [veja abaixo] mostra o momento em que o rapaz foi baleado. 

O Cidadeverde.com apurou que Deivid, 34 anos, foi encontrado na residência de uma amiga localizada na região do Vale do Gavião, zona Leste de capital. Deivid estava escondido na casa de uma amiga da mãe. Ele havia chegado há cerca de uma semana, após retornar da cidade de Matões, no Maranhão.

Deivid estava foragido há 16 dias. Segundo a polícia, o crime teve motivação passional. De acordo com as investigações, o suspeito descobriu que sua companheira manteve um relacionamento extraconjugal com Gabriel. 

O preso será apresentado em entrevista coletiva na sede da secretaria Estadual de Segurança Pública. 

Foto: Reprodução

Gabriel Brenno morreu no Hospital de Urgência de Teresina 

 

Izabella Pimentel  e Graciane Sousa
redacao@cidadeverde.com

Imprimir