Cidadeverde.com
Esporte

Tite troca veteranos por novatos em testes na seleção brasileira

Imprimir

Ao anunciar a convocação para os amistosos do próximo mês nos Estados Unidos, Tite deu novo passo no processo de renovação da seleção brasileira para a Copa do Mundo de 2022, no Qatar.

Créditos: Lucas Figueiredo/CBF

Boa parte dos veteranos que fizeram parte da conquista da Copa América, no mês passado, ficou fora do chamado.

Dos atletas com mais de 30 anos que disputaram o torneio sul-americano, só sobreviveram ao corte os laterais direitos Daniel Alves, 36, e Fagner, 30, e o zagueiro Thiago Silva, 34. Perderam espaço o goleiro Cássio, 32, o zagueiro Miranda, 34, o lateral esquerdo Filipe Luís, 34, o volante Fernandinho, 34, e o atacante Willian, 31.

Todos eles tiveram seus lugares ocupados por jogadores mais jovens. No gol, Tite decidiu testar Ivan, 22, que defende a Ponte Preta na Série B do Campeonato Brasileiro. 

Sem o titular Alisson, 26, machucado, chamou Ederson, 25, e Weverton, 31, mas optou por deixar uma vaga para alguém bem mais novo.

"O Ivan está dentro da ideia de dar oportunidade aos jovens. Não tem sentido levar só os jogadores do mais alto nível, já que são amistosos", afirmou Tite.

Ivan é um projeto de longo prazo. Em outras posições, o teste é mesmo para o futuro próximo. Assim, o zagueiro Samir, 24, da Udinese, o lateral esquerdo Jorge, 23, do Santos, o volante Fabinho, 25, do Liverpool, e o atacante Vinicius Júnior, 19, do Real Madrid, poderão ser mantidos no grupo se derem uma boa resposta em campo.

O atacante Bruno Henrique, 28, do Flamengo, terá sua primeira chance de vestir a camisa da seleção brasileira. Trata-se de mais um nome que mostra a disposição de Tite de oxigenar a seleção, bem modificada em relação ao time que parou nas quartas de final da Copa do Mundo de 2018, na Rússia.

Os convocados para os amistosos contra Colômbia e Peru, nos dias 6 e 10 de setembro, têm média de 25,8 anos. A queda é considerável em relação à média de 27,3 do elenco responsável pela conquista da Copa América, porém o treinador fez questão de deixar aberta a possibilidade de retorno dos que saíram.

"Mantenho contato com todos os atletas e nunca, nunca, vou encerrar a carreira de ninguém. Não me dou esse direito de dar um ponto final", disse Tite, lembrando que o experiente Daniel Alves é seu capitão. "Pego o exemplo do Dani. Joguem em alto nível", pediu.

Ainda faltam mais de três anos para o próximo Mundial, que só terá início em 21 de novembro de 2022. Até lá, entre amistosos, a Copa América de 2020 e as partidas das eliminatórias, outros jovens deverão ganhar oportunidades de vestir a camisa da seleção.

E os veteranos que sobreviveram tentarão mostrar que merecem permanecer com ela.

MARCOS GUEDES
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS)

Imprimir