Cidadeverde.com
Geral

Parada da Diversidade reúne multidão e condena ataques aos diretos LGBT

Imprimir
  • parada16.jpg Analice Borges- Cidadeverde.com
  • parada15.jpg Analice Borges- Cidadeverde.com
  • parada8.jpg Analice Borges- Cidadeverde.com
  • parada13.jpg Analice Borges- Cidadeverde.com
  • parada12.jpg Analice Borges- Cidadeverde.com
  • parada11.jpg Analice Borges- Cidadeverde.com
  • parada10.jpg Analice Borges- Cidadeverde.com
  • parada9.jpg Analice Borges- Cidadeverde.com
  • parada7.jpg Analice Borges- Cidadeverde.com
  • parada6.jpg Analice Borges- Cidadeverde.com
  • parada5.jpg Analice Borges- Cidadeverde.com
  • parada4.jpg Analice Borges- Cidadeverde.com
  • parada3.jpg Analice Borges- Cidadeverde.com
  • parada2.jpg Analice Borges- Cidadeverde.com
  • parada1.jpg Analice Borges- Cidadeverde.com

O primeiro de setembro de 2019 foi de resistência aos que participaram da 18ª edição da Parada da Diversidade, na avenida Raul Lopes, zona Leste de Teresina. O evento encerra a 15ª semana do Orgulho de Ser. 

Para a coordenadora do evento, membro do grupo Matizes, Marinalva Santana, a Parada da Diversidade deste ano é um ato de enfrentamento diante da atual conjuntura política e social do país. Com o tema "Rexistirmos, a que será que se destina", centenas de pessoas se uniram para lutar contra o preconceito e a discriminação por causa da sua sexualidade ou gênero. 

"O tema tem relação com o momento difícil que nós estamos vivendo, de conservadorismo, de perdas de direitos. Nós, do Matizes, acreditamos que diante dessas atitudes adversas envolvendo o facismo que tanto nos assombra, precisamos resistir, pois é a melhor resposta que a gente pode ser neste momento. Resistir e enfrentar essa conjuntura adversa que aumenta a violência contra os LGBT, contra as mulheres, contra os negros", disse Marinalva Santana.

A caminhada acontece na avenida Raul Lopes, do balão próximo a uma grande loja de departamento até o complexo da Ponte Estaiada, onde um palco foi montado para apresentações artísticas locais e nacionais. Dentre estas, a da cantora Sandra de Sá. 

As cores símbolo da luta LGBT estiveram presentes em bandeiras, roupas e maquiagens. Os participantes soltaram a imaginação e agitaram a avenida com alegria, muito colorido e brilho, como o jornalista André Santos, que foi vestido de "cupido gay".

"Sempre é uma boa oportunidade de encontrar um amor se você está solteiro. Então, vim de cupido, o meu próprio cupido", brincou. 

A madrinha e o padrinho da Parada da Diversidade deste ano também marcaram presença. Os escolhidos por votação popular foi o artista Benício Ben e a professora Letícia Carolina. Para ela, essa parada é um grito para o momento político do país de que não adianta apenas existir, é preciso resistir, como destaca o tema do evento.

 "Existem forças que prosperam na política nacional que querem a nossa destruição, que querem a nossa não existência. Então, nós estamos aqui para gritar: nós existimos".

 

Flash Carlienne Carpaso
[email protected]

Imprimir