Cidadeverde.com
Esporte

Apresentado pelo Palmeiras, Mano minimiza resistência interna

Imprimir

O técnico Mano Menezes foi apresentado oficialmente nesta quinta (5) como novo comandante do Palmeiras, na Academia de Futebol.

Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação

Anunciado na última terça-feira, ele falou sobre construir uma história vitoriosa no alviverde e minimizou o momento conturbado do clube, com protestos de torcida e pressão interna, inclusive contra sua contratação.

"Quando recebi o convite na segunda-feira, levei em consideração todos os aspectos da situação, mas não podemos fazer aquilo que não é da nossa alçada, que não pertence ao técnico e à equipe. 

Não precisamos fazer milagre nenhum, porque o que temos como qualidade de elenco e condições para trabalhar é propício para entregar aquilo que o torcedor quer. O Palmeiras é muito maior do que as questões segmentadas. 

Da mesma maneira que você não é unanimidade em um segmento, você encontra pessoas na rua que sentem a confiança no trabalho que vai se iniciar, porque olharam para trás e enxergam em um profissional como eu essa capacidade", afirmou.

Mano confirmou sua presença no banco do Palmeiras já neste sábado, apesar de comandar seu primeiro treino só na tarde de hoje.

"Vou dirigir a equipe contra o Goiás, vou estar acompanhado dos profissionais que conduziram a semana. A partir de hoje, a gente começa a direcionar a formação que a equipe usará nesse jogo. Mas acho importante o técnico presente para o início de uma nova era", disse. O Palmeiras enfrenta o Goiás às 21h pelo Campeonato Brasileiro, no Serra Dourada.

"Dizer ao torcedor do Palmeiras que é uma honra de estar aqui para iniciar um trabalho. Uma carreira como a minha, de 20 e poucos anos, é feita de capítulos importantíssimos, e espero aqui iniciar um capítulo vencedor dessa carreira que construo há muito tempo. 

Com muita dedicação, entrega e respeito pelo futebol, pelo qual tanto eu como os torcedores do Palmeiras temos paixão. Estou muito honrado em ocupar o lugar em que muito técnicos históricos estiveram", continuou.

Antes de apresentar Mano, o presidente Maurício Galiotte agradeceu aos serviços prestados por Luiz Felipe Scolari, classificado por ele como "eterno". O treinador foi demitido na última segunda-feira, um dia depois de derrota por 3 a 0 para o Flamengo no Maracanã.

Já o diretor de futebol Alexandre Mattos falou também falou rapidamente antes de Mano. Alvo de protestos de torcedores organizados na frente de sua própria casa na noite de ontem, o dirigente entregou uma camisa 9 do Palmeiras ao novo treinador e não se pronunciou sobre a pressão.

A apresentação teve ainda a presença do casal Leila Pereira e José Roberto Lamacchia, conselheiros do clube e donos da Crefisa. Os dois foram embora rapidamente e não deram declarações.

TIMES HISTÓRICOS DO CLUBE

Antes mesmo de comandar seu primeiro treino no clube, Mano Menezes já falou sobre as características do elenco e projetou uma "forma muito legal" de jogar. O novo comandante mostrou também conhecimento de times históricos alviverdes e rejeitou o rótulo de treinador defensivo.

"Dirigi a seleção e meus dois volantes eram Ramires e Paulinho. Então vamos construir um trabalho juntos aqui no Palmeiras. Não decreto a forma de jogar, a gente constrói com a característica de cada elenco.

Acho, em uma avaliação de fora para dentro, que o Palmeiras tem um elenco com características de jogadores bem definidas para uma forma muito legal de se jogar. O futebol precisa construir resultado, e a partir da confiança, vamos ter um futebol bonito de se ver", disse.

"Procuro estudar muito os clubes que assumo. As Academias de Futebol tiveram características diferentes, a primeira dirigida pelo Filpo (Núñez) e a segunda pelo [Oswaldo] Brandão. E o torcedor gostou do que viu em resultados", continuou Mano, citando os esquadrões palmeirenses das décadas de 1960 e 1970.

COMPARAÇÕES COM FELIPÃO

Alvo de reclamações da torcida e até de resistência interna, Mano falou dessa parcela de rejeição de forma tranquila. O treinador disse que não é defensivo, evitou comparações com o antecessor Luiz Felipe Scolari e ironizou o fato de ter recebido críticas antes de começar a trabalhar.

"Seria bem fácil eu falar que jogo igual ao Felipão, mas é um desrespeito com ele. Ele escolheu a maneira dele e vinha dando certo, os resultados eram bons, mas o futebol inexplicavelmente produz algumas coisas que não permite a sequência. 

Vamos olhar daqui para frente, e vocês vão ver como a equipe vai jogar. Depois dessa escolha, você apresenta evoluções, e aí você vê como o Palmeiras vai ser."

"São novos tempos, antigamente a gente deixava pelo menos a pessoa trabalhar", brincou. "Vamos retomar isso com o tempo. Entendo que esse é o caminho da retomada. O torcedor tem o direito de contestar, vamos trabalhar para que ele seja feliz, que esteja com o sorriso estampado no rosto e tenha orgulho de ver seu time jogar."

Mano fará sua estreia pelo Palmeiras neste sábado (7), contra o Goiás, no Serra Dourada, pelo Campeonato Brasileiro. O clube está há sete rodadas sem vencer e ocupa a quinta colocação, com uma partida a menos que os rivais.

Fonte: UOL/FOLHAPRESS

Imprimir