Cidadeverde.com
Política

Bolsonaro caminha por hospital pela segunda vez nesta segunda-feira

Imprimir

Foto: Reprodução / twitter jairmbolsonaro

Pela segunda vez nesta segunda-feira, 9, Jair Bolsonaro caminhou pelo corredor do Hospital Vila Nova Star, acompanhando por médicos. A caminhada, que foi realizada antes das 17h, faz parte do processo de recuperação da cirurgia para correção de uma hérnia incisional realizada no domingo, 8.

De acordo com o que explicou o médico Antônio Luiz Macedo, cirurgião-chefe do hospital, a jornalistas no domingo, a movimentação "não é (apenas) importante, ela é imprescindível para uma boa recuperação".

A cirurgia a que Bolsonaro foi submetido ontem foi a quarta após ele ter sido esfaqueado há um ano, durante a campanha eleitoral, em Juiz de Fora (MG).

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

?- Hoje pude caminhar pelo corredor do hospital. Seguimos em plena recuperação!?

Uma publicação compartilhada por Jair M. Bolsonaro (@jairmessiasbolsonaro) em

 


A primeira-dama Michelle Bolsonaro e o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente, estão em São Paulo como acompanhantes e dormem no hospital. Já o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) fizeram visitas ao pai durante o dia e já foram embora.

No início da tarde, Bolsonaro também recebeu a visita do presidente da República em exercício, general Hamilton Mourão, que chegou e saiu sem falar com a imprensa. Os dois conversaram a sós durante 10 a 15 minutos, quando um médico interrompeu a conversa. "Visita foi rápida, ele Mourão não é acompanhante. Foi visita de hospital", disse uma fonte.

"Estive hoje no Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, para visitar o presidente Jair Bolsonaro e deixar, pessoalmente, meus votos de seguro e breve restabelecimento", escreveu Mourão no Twitter.

Devido ao processo de recuperação do presidente Jair Bolsonaro, Mourão atua como presidente em exercício até quinta-feira, 12, de acordo com o porta-voz da Presidência da República, general Rêgo Barros.

 

 

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir