Cidadeverde.com
Viver Bem

Wrap é opção de alimento prático e saudável; veja dicas

Imprimir

Foto: Pinterest

Pão com recheio e enrolado, o wrap chegou ao Brasil início dos anos 2000. Rapidamente, foi adaptado para versões menos calóricas, entrou como opção fitness no cardápio das dietas e, assim, conquistou muitos fãs. Por ser uma opção saudável e muito prática, é ideal para quem deseja uma refeição mais leve a qualquer hora do dia.

Nos Estados Unidos, ele surgiu a partir dos tacos ou burritos mexicanos. Entretanto, sempre com recheios repletos de maionese, molhos e proteínas mais pesadas. Já no Brasil, ganhou o uso do pão folha que tem origem árabe.

Uma das vantagens do wrap é que ele é muito fácil de preparar. Um simples patê de atum ou frango, uma carne desfiada ou moída ou até queijos com rodelas de tomate já viram recheios saborosos. Outra sugestão é usar a folha de couve manteiga ou alface para preparar o wrap.

Praticidade

As redes de supermercados já vendem o pão folha e também um disco semipronto feito à base de farinha de trigo pra quem quer praticidade. Entretanto, é possível fazer em casa o disco de wrap e deixar a massinha mais nutritiva ou até integral.

Para fazer um wrap de espinafre, por exemplo, basta bater no liquidificador espinafre cortado em pedaços com um ovo, quatro claras e uma pitada de sal. Depois, só preparar a mistura na frigideira da mesma forma que uma panqueca

Recheios saudáveis

Quer incluir o wrap no cardápio, mas não tem ideia de combinações mais saudáveis? Uma sugestão é apostar no queijo cottage com cenoura ralada e alface picada. Já mencionado, o patê de atum combina com azeitonas pretas, além de uma opção de folha verde.

Para os apaixonados por requeijão, a dica é apostar na mistura com o frango desfiado, cenoura e gengibre ralado.

Sobrou um pouco de carne moída do almoço? Então, acrescente azeitonas pretas e prepare um wrap rápido e prático para o lanche ou jantar. Outra combinação muito saborosa leva peito de peru, nozes picadas, alho-poró, alface picada e tomate.

 

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir