Cidadeverde.com
Viver Bem

Cardiomiopatia requer atenção redobrada e pode ser confundida com doença respiratória

Imprimir

Foto: Pixabay/ fotos gratis

Com 16 anos, a filha do ex-jogador de futebol Vampeta enfrentou uma doença grave, mas ainda muito comum entre os brasileiros: a cardiomiopatia. Segundo o Ministério da Saúde, o problema atinge cerca de 2 milhões de brasileiros por ano.

O caso da filha do Vampeta foi divulgado no programa Fantástico no último domingo (6). A adolescente - que mora em Miami há cinco anos - passou mal e precisou de um transplante de coração. Em um primeiro momento, os médicos achavam que se tratava de uma doença respiratória.

Como é a doença

A condição dificulta a passagem do sangue do coração para o corpo, podendo causar uma insuficiência cardíaca. Os sintomas são parecidos com uma doença respiratória, como falta de ar e pernas e pés inchados. Dos quatro tipos que existem de cardiomiopatia, a mais recorrente é a dilatada, quando o coração não bombeia sangue suficiente. Esse tipo atinge jovens de 20 até idosos de 60 anos.

Ainda existem a cardiomiopatia restritiva, que o músculo fica rígido e compromete o fluxo de sangue; a hipertrófica, que deixa as paredes do coração mais espessas, bloqueando a passagem de sangue para fora do ventrículo; e a arritmogênica, mais rara, quando o tecido do músculo cardíaco é substituído por um cicatrizado, comprometendo os sinais elétricos do coração.

Fatores de risco

As causas ainda são desconhecidas para a medicina. Entretanto, alguns fatores como pressão alta por muito tempo, infecções virais, distúrbios da tireóide, diabetes e alcoolismo contribuem para o surgimento do problema.

Tratamento

O tratamento depende muito do tipo de cardiomiopatia. Por isso, é muito importante procurar um cardiologista para a avaliação correta, assim como a realização de exames. Em geral, podem ser indicados medicamentos ou até mesmo a cirurgia.

Entretanto, é recomendado mudar o estilo de vida, com alimentação saudável e controle da pressão, assim como a prática de atividade física.

 

Fonte: Estadão Conteúdo

 

Imprimir