Cidadeverde.com
Geral

Oito meses preso, justiça determina soltura de policial que matou cabo Samuel Borges

Imprimir

Foto: Letícia Santos/Cidadeverde.com

O juiz da 1ª Vara do Tribunal Popular do Júri,  Antônio Nolêtto, relaxou a prisão preventiva do policial militar do Maranhão, Francisco  Ribeiro dos Santos Filho. O PM é acusado de matar o cabo Samuel Borges em fevereiro deste ano na zona Leste de Teresina. A decisão foi publicada nessa quinta-feira (10). Com a decisão, o acusado vai responder em liberdade enquanto aguarda o julgamento no Tribunal do Júri. 

O cabo Samuel foi morto a tiros na frente do próprio filho após uma discussão com o policial militar Francisco Ribeiro. Além de determinar a soltura do PM, o juiz determinou que o acusado seja submetido a julgamento  pelo Tribunal de Júri . A decisão levou em consideração que o acusado não responde a nenhuma outra ação penal.

"Assim, os seus antecedentes são bons e primário. Dessa forma, não apresentando maus antecedentes e sendo primário, tem a seu favor o binômio que constitui regra basilar no direito positivo pátrio de liberação, cujo preceito deve prevalecer[...] O acusado respondeu regularmente ao processo, participando, tempestivamente, de todos os atos processuais para os quais foi intimado, razão pela qual a instrução processual pôde ser concluída em tempo razoável", diz a setença.

Cabo Samuel Borges foi morto na frente do filho. Foto: reprodução/redessociais

Após ser solto, o policial militar Francisco Ribeiro deverá cumprir as seguintes medidas cautelares:  não se ausentar temporariamente ou definitivamente do município de sua residência, sem a devida autorização; comparecer a todos os atos do processo para os quais for intimado; informar sobre eventual mudança de endereço e não praticar outras condutas delitivas. 

Caso descumpra as medidas, o policial militar pode ser preso novamente. 

Veja matérias relacionadas

PM do Maranhão mata policial do Piauí na frente do filho durante discussão

Cabo da PM filmou a própria morte, revela inquérito do DHPP

Tristeza, saudade, perdão marcam família de PM morto na frente do filho 


Izabella Pimentel
[email protected]

Imprimir