Cidadeverde.com
Geral

Piauí: "Dia D" da vacinação do sarampo será no próximo sábado (26)

Imprimir

Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

 

Neste sábado (19), acontece o "Dia D" da vacinação contra o sarampo no Brasil. No Piauí, entretanto, em virtude do feriado de comemoração pelo aniversário do Estado, o "Dia D" foi transferido para o próximo sábado (26).

As informações foram confirmadas pela Fundação Municipal de Saúde (FMS). Segundo o órgão, muitas famílias costumam viajar no feriado, por isso não seria conveniente. 

A FMS esclarece, no entanto, que a vacina está disponível durante a semana nas 104 salas de vacina das Unidades Básicas de Saúde (UBS) e hospitais.

Em 2019, o Piauí já registrou quatro casos da doença, um em Teresina, dois em Campo Grande do Piauí e um em Alagoinha do Piauí, todos importados de São Paulo. 

Segundo o último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde sobre sarampo, de janeiro até outubro deste ano já haviam sido confirmados 6.640 casos e seis mortes no país. Um total de 22.564 suspeitas ainda estão em investigação. 

Neste momento, o público-alvo é de crianças de seis meses até menores de 5 anos. Depois será aberta a vacinação para o segundo grupo, com faixa etária de 20 a 29 anos, e que não está com a caderneta de imunização em dia. Para esse grupo, a vacinação está prevista para iniciar no dia 18 de novembro. 

Todas as pessoas menores de 30 anos devem ter duas doses na caderneta de vacina, essas não precisam se vacinar novamente. 

Sarampo

O sarampo é uma doença viral aguda, altamente contagiosa e que pode levar a complicações graves e óbito. A pessoa pode apresentar febre, tosse, irritação nos olhos, nariz escorrendo ou entupido e mal estar. 

Em torno de 3 a 5 dias, outros sintomas podem aparecer, como manchas vermelhas no corpo. A sua transmissão ocorre quando o doente  tosse, fala, espirra ou respira próximo a outras pessoas.
A Campanha é uma intensificação para interromper a circulação do vírus do sarampo no País. 

A prevenção ao sarampo, feita por meio da vacinação, é fundamental, já que não há tratamento para a doença.

Jordana Cury
jordanacury@cidadeverde.com

Imprimir