Cidadeverde.com
Viver Bem

Como falar sobre frustração com crianças?

Imprimir

Foto: Divulgação Childfund_Brasil

É sempre na melhor das intenções. Para não decepcionar um filho ou até mesmo porque você chegou cansado – ou cansada – em casa e quer ter um pouco de sossego, acaba deixando de lado as regras e permitindo que seu pequeno fique no celular, brinque no computador até mais tarde ou coma sobremesa antes da refeição. No entanto, é preciso ficar muito atento a essas condições.

O sentimento de frustração - que muitos pais tentam não submeter aos filhos - é necessário e faz parte do crescimento. Afinal, é preciso que os pequenos saibam que nem sempre suas vontades serão atendidas, já que o mundo não é tão colorido quanto os familiares acabam pintando para os herdeiros. As doses homeopáticas de frustração são, de acordo com especialistas da área, necessárias para o desenvolvimento.

Não é castigo

Essa postura de forma adequada não se trata de fazer a criança sofrer, mas apenas de exemplificar que há necessidades e desejos. Aliás, essas duas coisas, embora se misturem e se pareçam, não são a mesma coisa. O desejo precisa ser entendido pelos pequenos como algo que, nem sempre, será atingido da forma e quando eles esperam.

Enquanto são pequenos, até os dois anos, há uma confusão quanto aos choros das crianças, se é de fome, dor ou só manha mesmo. Após isso, já é possível identificar e fazê-los entender que suas vontades não serão contempladas imediatamente e a todo instante.

Como dosar?

Defina horas e limites para cada coisa. Se há apenas um televisor em casa, explique que vocês, pais, também têm vontades e querem ver um programa. Em jogos, nunca deixe a criança ganhar sempre. Faça ele se esforçar.

É claro que, nessas horas, ele chorará, fará birra, mas é preciso deixar, mesmo de coração partido. O seu filho precisa entender que às vezes as coisas não acontecem mesmo do jeito que esperamos e tudo bem.

No futuro, essas pequenas lições farão muita diferença. Na escola, por exemplo, há muitos problemas com crianças que não sabem dividir brinquedos ou ficam bravas quando perdem algum jogo. É preciso que já estejam preparadas. O pequeno sofrimento de hoje evitará tensões maiores no futuro. Pense nisso.

 

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir