Cidadeverde.com
Viver Bem

Entenda como o ciclo do pelo pode interferir na depilação

Imprimir

Da primavera-verão ao outono-inverno, seja qual for a estação do ano, é essencial para muitas mulheres que a depilação esteja em dia. O problema é que, quando os pelos começam a ficar aparentes, e ainda não chegou o momento da depilação, muitas já sentem desconforto, podendo se tornar este um pesadelo bem cabeludo. A remoção dos fios, por sua vez, deve seguir uma espécie de “cronograma”, ou seja, há um período, chamado de ciclo do pelo, que deve ser respeitado a fim de evitar incômodos futuros.

Segundo a especialista Regina Jordão, o espaço de tempo deve ser preservado para que a pele não sofra complicações. “O comprimento do pelo deve ser levado em conta, pois, se for longo demais, a dor durante a depilação pode ser mais intensa e, se estiver muito curto, serão necessários mais puxões com a cera, por exemplo, o que deixará a pele bastante sensível”, explica Regina, que lista também como funciona o ciclo dos pelos.

Crescimento

Conhecida como fase anágena, é o momento em que o pelo começa a se desenvolver e é conectado ao folículo piloso. “Das três fases do ciclo, essa é a menos indicada para procedimentos de depilação, pois o fio ainda está em processo de formação e retirá-lo fora do tempo, pode causar não só dor, mas também inflamações, espinhas e pelos encravados”, detalha.

Repouso

Essa é a fase chamada de catágena, ou seja, quando o crescimento do pelo fica em stand by. “Nesse momento, a atividade da célula se reduz e o fio já está queratinizado, levando à fase de crescimento”, explica.

Desprendimento

A terceira e última fase é conhecida como telógena. Nesse momento há o desprendimento do pelo, surgindo um novo que, enquanto cresce, empurra o velho para fora do folículo. “Geralmente é o momento mais apropriado para sessões de depilação”, ressalta Regina.

Diante disso, como saber qual é o momento ideal, entre uma depilação e outra para eliminar os pelos indesejáveis? Segundo Regina Jordão, o intervalo de sessões podem variar de uma mulher para a outra, já que para algumas o resultado pode ser mais duradouro do que para outras. “O ideal é que se tenha um intervalo de 20 a 30 dias, evitando que a pele fique sensível. Além disso, o importante é sempre levar em consideração a fase do ciclo do pelo, já que é ele quem vai definir a duração do resultado” finaliza a empresária.

 

redacao@cidadeverde.com

Imprimir