Cidadeverde.com
Geral

Umbanda completa 111 anos e Teresina terá "lavagem" contra intolerância religiosa

Imprimir

Foto: Bailton José/Arquivo pessoal


Lavar as escadarias da Igreja é um ato contra a intolerância religiosa e o racismo, defende o pai de santo Hadilton de Iansã, da casa Ilê Oyà Tade, que, neste ano, organiza a 18ª edição da Lavagem das Escadarias da Igreja São Benedito, no Centro de Teresina, que acontece na próxima quarta (14) a partir das 19 horas, e mais uma vez pede pela paz e o respeito. 

O ato também celebra os 111 anos de fundação da Umbanda no Brasil, a completar no dia 15 de novembro, um dia após a lavagem em Teresina. Apesar de ser uma religião centenária, a Umbanda ainda é alvo de preconceito no país - mesmo com a Constituição Federal de 1988 assegurando o direito fundamental a liberdade de religião no país.  No Piauí, o despeito já estampou o noticiário com diversos terreiros depredados, assim como em outros estados.  

Realizada no mês de novembro, quando também se comemora o Dia Nacional da Consciência Negra, o ato reforça o fim do racismo.  A Lavagem acontece na Igreja São Benedito, o santo negro. Fatos históricos relatam que ao lado da igreja existia um cemitério de escravos negros e que, inclusive, foi construída por eles, conta o umbandista Bailton José, filho da casa Ilê Oyà Tade.

Para o pai de santo Hadilton de Iansã, a lavagem simboliza "lavar as energias ruins", como o preconceito e a discriminação contra os umbandistas e os negros. "Nós queremos tirar essa imagem de que a Umbanda é algo ruim. Queremos mostrar a nossa religião, a nossa cultura. Levar as escadarias significa lavar o preconceito enraizado na nossa sociedade, lavar essa energia negativa com a nossa água de cheiro para purificar. Lavar para trazer coisas boas. A nossa religião e o povo negro merece respeito", comentou o pai de santo Hadilton de Iansã. 
 
Bailton José conta que cerca de 30 terreiros já estão confirmados para participar da atividade, mas esse número deve aumentar até o evento ocorrer.  Muitos terreiros são de Teresina, mas há presença de casas dos municípios do interior piauiense e do estado do Maranhão. 

Dados do Censo de 2010, apontam que número de umbandistas no Brasil chega a 432 mil. Em Teresina, a Prefeitura lançou um aplicativo chamado "Eu Tenho Fé", que mapeia os terreiros no Piauí, que chegam a ser mais de 800, além de repassar informações sobre a religião, leis e direitos (como a liberdade de cresça e de culto) e servir como ponto de denúncia para atos discriminatórios. 

Bailton José reforça que historicamente o país foi construído pelos negros, que merecem respeito, bem como os umbandista. "A lavagem das escadarias - com louvação, cânticos, com nossas ervas e rituais - exalta o povo negro, pedimos por liberdade, paz, amor, fé e esperança, sempre reforçando a busca por ações afirmativas para termos menos casos de intolerância religiosa, menos preconceito, e mais respeito".

 

Carlienne Carpaso
[email protected] 

Imprimir