Cidadeverde.com
Viver Bem

Descubra os mitos e verdades sobre o câncer de próstata

Imprimir

No Brasil, os homens vivem em média sete anos a menos do que as mulheres... e, ainda assim, eles não têm o hábito de ir ao médico regularmente. Dados do Ministério da Saúde mostram que um terço dos brasileiros não se cuida como deveria. Por isso, durante o Novembro Azul, vale o alerta para uma das doenças que mais acomete a população masculina: o câncer de próstata. A taxa de incidência é alta e a de mortalidade também. 

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), até 2030 serão 27 milhões de novos casos, 17 milhões de mortes e 75 milhões de pessoas vivendo com a enfermidade. Os lugares mais afetados serão os países em desenvolvimento. 

Se alguns tipos de câncer vêm registrando queda, como o de estômago e fígado, outros só aumentam... É o que acontece com o de próstata. No Brasil, trata-se do segundo com maior incidência. Por isso, o Dr. Adagmar Andriolo, patologista clínico da Unifesp, esclarece algumas dúvidas frequentes sobre a doença.

O tamanho do dedo indicador revela o risco de câncer de próstata?
VERDADE. O dedo indicador mais longo do que o anelar indica que o homem tem 33% a menos de chance de desenvolver a doença. Isso porque o tamanho do dedo indicador está inversamente relacionado à exposição de testosterona intra-útero. E níveis mais baixos de testosterona antes do nascimento protegem, segundo estudos, contra o câncer de próstata.

A incidência da doença aumenta após os 50 anos de idade?
VERDADE. Como regra geral, podemos dizer que a incidência do câncer de próstata guarda certa relação com a idade. Ou seja, é de 50% na faixa dos 50 anos de idade, cerca de 70% aos 70 anos, e assim por diante.  

Câncer de mama é o de maior incidência no brasil?
MITO. O tipo de câncer mais incidente no país, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), é o de pele, seguido do de próstata. Em terceiro lugar é que aparece o de mama, seguido de cólon e reto. E, depois, pulmão e brônquios.

Já existe exame que elimina a necessidade do toque retal?
MITO. O toque retal não só no Brasil, mas também no mundo todo, ainda é considerado fundamental na detecção da doença. Ele deve ser realizado anualmente a partir dos 50 anos. Já quem tem histórico na família deve procurar um urologista um pouco antes, aos 45 anos.

PSA alterado indica câncer de próstata?
MITO. No Brasil, além do toque retal, o exame comumente usado para detectar a doença é a dosagem do PSA, antígeno prostático específico, enzima naturalmente produzida pela glândula. No entanto, alterações na concentração desse antígeno podem estar associadas a outras enfermidades, como inflamação e infecção da próstata. Por isso, muitos homens acabam submetidos, inclusive, a biópsias sem necessidade. Uma esperança para evitar isso é a chegada ao Brasil do PHI, índice de saúde da próstata. O exame faz uma relação entre o PSA livre, o PSA total e uma isoforma do PSA, o p2PSA, garantindo uma maior precisão sobre a condição do paciente e evitando até 30% de biópsias desnecessárias.

Andar de moto, bicicleta ou até atividades sexuais devem ser evitadas antes de colher sangue para fazer a dosagem do PSA?
VERDADE. Essas atividades podem elevar a concentração do PSA total no sangue, produzindo resultados alterados, comprometendo a interpretação dos mesmos. Por isso, devem ser evitadas no período de 72 a 48 horas que precedem a realização do exame.

 

[email protected]

Imprimir