Cidadeverde.com
Cidades

Tribunal do Júri em Parnaguá será 1º por videoconferência no Piauí

Imprimir

Celso Junior/Estadão Conteúdo

O ex-deputado Hildebrando Pascoal será julgado nesta quarta-feira(13) pelo Tribunal do Júri em Parnaguá (a 825 km de Teresina). Com 67 anos, preso no Acre e com a saúde debilitada, o ex-comandante geral da Polícia Militar do estado do Norte, será ouvido por videoconferência. Essa será a primeira sessão de júri popular realizada usando a tecnologia no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado do Piauí.

Além de Hidelbrando Pascoal e ex-policial militar Raimundo Alves de Oliveira, também será julgado pelo homicídio contra José Hugo Alves Júnior, que ficou conhecido como “Caso Huginho”. A sessão é presidida pelo magistrado José Sodré Ferreira Neto e conta com apoio do Tribunal de Justiça do Estado do Acre (TJ-AC). Os acusados cumprem pena por outros crimes cometidos naquele estado. Hildebrando é acusado de liderar um grupo de extermínio na década de 1990.

Para a realização do Júri, serão ouvidas três testemunhas no Fórum da comarca de Parnaguá. Já os dois acusados, serão ouvidos por meio de videoconferência, realizada com uso de ferramenta disponibilizada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aos Tribunais de Justiça do Piauí e do Acre.

“O uso da videoconferência para a realização dessa sessão do Júri é fundamental, uma vez que os dois acusados estão custodiados no estado do Acre, inclusive, um deles (Hidelbrando Pascoal) passa por problemas de saúde que levaram à si prisão domiciliar. Então, essa ferramenta de videoconferência disponibilizada pelos Tribunais de Justiça do Piauí e do Acre é primordial para a prestação jurisdicional neste caso”, declarou o magistrado José Sodré.

Além da tecnologia, o TJ-PI também enviou equipes de segurança e de tecnologia até a comarca para assegurar a realização da sessão. O promotor do caso é Rômulo Cordão.

O julgamento acontece mais de 20 anos depois do crime. Hildebrando Pascoal, hoje com 67 anos, está preso no Acre, onde é acusado de liderar um grupo de extermínio na década de 1990. Ele foi comandante geral da Polícia Militar. 

Foto: Ascom TJPI

Entenda o caso

Em 2009, Hidelbrando Pascoal foi condenado pela morte de Agilson Firmino, o 'Baiano', caso que ficou conhecido popularmente como 'Crime da Motosserra'. Firmino teria auxiliado na fuga de José Hugo Alves Júnior, suspeito de ter assassinado Itamar Pascoal, irmão do ex-deputado, após uma discussão em um posto de gasolina da capital.

Segundo a denúncia do Ministério Público do Piauí (MP-PI), em janeiro de 1997, Hildebrando Pascoal conseguiu localizar José Hugo em Parnaguá, teria levada a vítima para o município de Formosa do Rio Preto (BA), onde teria sido torturada e assassinada. O ex-deputado também teria sequestrado e cometido cárcere privado contra esposa e filhos de José Hugo.

 

Caroline Oliveira
[email protected]

 

Imprimir