Cidadeverde.com
Viver Bem

Dicas fáceis para deixar a memória afiada após os 60 anos

Imprimir

Foto: Roberta Aline/Cidadeverde.com

Até 2050, o número de pessoas com quadros de demência no Brasil deve triplicar. Os dados são da Organização Mundial da Saúde (OMS). Boa parte dessas causas está relacionada a distúrbios como estresse e excesso de atividades. O dado é preocupante. Entretanto, a boa notícia é que existem diversos tipos de exercícios que turbinam a memória e acabam retardando problemas e doenças degenerativas.

Existem diversas ginásticas para o cérebro que podem ser praticadas em qualquer lugar. Ao tirar a pessoa da zona de conforto natural, essas práticas combatem o esquecimento e fortalecem as condições que determinam uma boa memória.

Trocar de mão para escovar os dentes ou para escrever, por exemplo, é bom para o cérebro. Essa ação contraria a rotina e obriga a estimulação do cérebro, melhorando assim a concentração a atenção.

Nessa linha de ações simples e eficientes, vale ainda trocar o relógio de braço, exigindo mais atenção na hora de conferir as horas. Vale ainda escrever em uma folha de papel com a mão contrária à de costume.

Outra dica: aproveite um tempinho para observar melhor determinados objetos, visualizando assim cada detalhe. Para os mais animados, vale até mesmo andar pela casa de trás para frente. Aliás, muitas pessoas treinam esse método em parques na China.

Aqui, outra forma de estimular o cérebro é vestir as roupas de olhos fechados, exigindo assim mais concentração e atenção.

Ao seguir para o trabalho, faça um roteiro diferente. Importante também incluir pequenas mudanças nos hábitos. Quer uma dica?  Troque o mouse do computador de lado por algum tempo, por exemplo.

 

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir