Cidadeverde.com
Geral

Promessa de medalhistas, Centro Sarah Menezes pode fechar as portas por falta de salário

Imprimir

Fotos: Enviada pelo Whatsapp

 

Promessa para descobrir novos medalhistas, o Centro de Artes Marciais Sarah Menezes, localizado no bairro Saci, deve fechar as portas e parar de atender cerca de 300 alunos, de crianças a jovens, a partir esta segunda-feira (02). Pais e alunos se reuniram na tarde de ontem no local, pedindo a permanência das aulas.

O Cidadeverde.com conversou com funcionários, que preferiram não se identificar, e apurou que eles estão sem receber salário desde março de 2018; são quase dois anos sem pagamento. A paralisação das atividades deve ocorrer até que o pagamento dos salários seja regularizado.

"Nós somos cerca de 15 professores e estamos desde o ano passado sem receber. Em março de 2018, nós recebemos o atraso de 2017 e, desde então, estamos sem receber. Vamos fazer a paralisação do atendimento", explicou.

A maioria dos alunos vem de família com vulnerabilidade social. O Centro Sarah Menezes funciona nos turnos da manhã, tarde e noite. "Esses alunos vão ficar sem esse apoio. Acredito que haverá um grande impacto na família porque muitas possuem vulnerabilidade", ressaltou um dos funcionários.

O Centro iniciou as atividades no dia 26 de setembro de 2016. Ele surgiu com a missão de "contribuir para a redução das taxas de evasão e reprovação dos estudantes da rede pública estadual de ensino".

Daniele Madeira, mãe de um dos alunos, lamenta a situação. Ela conta que o filho de seis anos passou a ficar mais disciplinado e obediente após iniciar as aulas de judô. "Antes ele ficava ocioso em casa, no celular; depois das aulas passou até a ter mais disciplina. Não é só uma questão de esporte e treino, tinha toda uma interação e disciplina".

Ela ressaltou que muitos alunos do local já competem e que o Centro está entre duas escolas desativadas há anos. "Lá tem muita criança carente, que precisa desse espaço; sem falar que muitos lá já participam de campeonatos, possuem medalhas, e vão parar de ter esse apoio e incentivo de crescimento". 

Sobre os locais desativados, a mãe faz referência as escolas Aurea Freire e Edgar Nogueira, que estão sem funcionar. "Um prédio daquele (Centro Sarah Menezes) vai ficar a mercê de bandidos. Fiquei super triste. Um lugar daquele não pode ficar parado, é jogar o dinheiro (da construção) no lixo".  

 

Seduc

A Secretaria de Estado da Educação (Seduc) informa que "o atraso na liberação de parcelas previstas no cronograma do Termo de Fomento firmado no ano de 2018 com a Associação de Judô Expedito Falcão (AJEF), para manutenção do Centro de Treinamento Sarah Menezes, se deu por pendências na prestação de contas por parte da Associação para com a Seduc, problema sanado somente no  mês de novembro do corrente ano".

"A Seduc esclarece que a prestação de contas está sendo analisada e, ao final do processo, o referido pagamento será efetuado. A previsão é que as primeiras parcelas sejam pagas ainda no mês de dezembro", diz a nota. 

Foto: Site/Seduc


Carlienne Carpaso
[email protected] 

Imprimir