Cidadeverde.com
Geral

Estátua de Iemanjá é restaurada e grupos pedem retorno ao cais do Parnaíba

Imprimir
  • estatua6.jpg Valmir Macedo
  • estatua5.jpg Valmir Macedo
  • estatua4.jpg Valmir Macedo
  • estatua3.jpg Valmir Macedo
  • estatua2.jpg Valmir Macedo
  • estatua1.jpg Valmir Macedo

A estátua de Iemanjá, localizada às margens do Rio Poti na avenida Marechal Castelo Branco, está passando por restauração. A divindade africana já foi alvo várias vezes de vandalismo nos últimos dois anos, revoltando grupos religiosos de matriz africana em Teresina. A obra está em fase de finalização, faltando apenas a colocação das mãos da estátua, que precisaram ser refeitas. Na semana passada, inclusive, circulou a informação que Iemanjá havia sofrido nova depredação, o que foi veemente negado pela Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi).

“A falta das mãos da obra faz parte do trabalho de restauração que está em curso. A estátua é construída em etapas e quando as mãos foram instaladas, o artesão responsável avaliou que elas não ficaram dentro do esperado. Sendo assim, elas foram retiradas para serem refeitas e, posteriormente, colocadas novamente”, informou a Semcaspi em nota.

Grupos querem retorno ao cais do Rio Parnaíba

Por conta dos ataques já sofridos às margens do Rio Poti, os grupos religiosos querem o retorno da estátua ao cais do Rio Parnaíba.

“O local mesmo dela é no cais do Troca-Troca. Fizemos abaixo assinado e apresentamos ao poder público para voltar ela para seu local de origem. No cais tem fluxo toda hora de pessoas. No local que ela está hoje é isolado, não tem uma estrutura de proteção”, reclama o pai de santo Rondinele Santos, do Centro Nacional de Africanidade e Resistência Afro Brasileira (Cenarab).

Segundo ele, a estátua foi tirada do cais do Rio Parnaíba há uns 10 anos. “Foi quando fizeram o Shopping da Cidade. Agora vamos ingressar novamente com uma ação no Ministério Público para que ela volte ao cais. É lá onde ficam os pescadores. Ela precisa voltar para o seu devido local de origem. A outra Iemanjá de Timon é bem protegida e nunca saiu do lugar”, desabafa o pai de santo.

Em 2014, a imagem chegou a ser queimada, além de parte ser destruída.

 

Hérlon Moraes
[email protected]

Imprimir