Cidadeverde.com
Geral

No Piauí, homens têm 7 vezes menos chances de completar 25 anos do que as mulheres

Imprimir

Foto: Yasmim Cunha / Cidadeverde.com

Em 10 anos, o número de óbitos de causas não naturais aumentou em 77% para os homens com idade entre 15 e 24 anos no Piauí. Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nesta semana. 

Mortes por causas não naturais são ocasionadas por fatores externos, mas não necessariamente por atos violentos. Pode-se citar como exemplos de mortes não naturais aquelas provocadas por homicídios, suicídios, acidentes de trânsito, afogamentos, quedas acidentais, etc.

Essas causas externas afetam mais homens do que mulheres de modo geral. No Piauí, 85,13% dos mortos por causas não naturais eram do sexo masculino em 2018. 

A maior parte desses falecidos tinham entre 20 e 24 anos na ocasião da morte. 

Estatisticamente, um homem nessa faixa etária, no Piauí, tem aproximadamente 7 vezes menos chances de completar 25 anos em relação às mulheres com a mesma idade.

Considerando-se apenas a variação entre os anos de 2017 e 2018, houve diminuição de 2,16% no número de óbitos por causas não naturais no Piauí. A redução ocorreu apesar do aumento de 0,82% na quantidade total de mortes entre um ano e outro.

Em comparação às demais unidades da federação, o Piauí é o 12º com maior percentual de mortes por causas não naturais do Brasil. No Estado, 9,89% dos óbitos ocorridos em 2018 foram motivados por causas externas. 
Já em relação aos estados da região Nordeste, o percentual do Piauí é o terceiro menor. 

Mortes durante a gestação   

Entre 2008 e 2018, houve aumento de 42,19% nas ocorrências de óbitos fetais no Piauí. O menor número foi registrado em 2010, com 222 casos, enquanto a maior quantidade ocorreu em 2018, com 337 óbitos. 
Desde 2016, o quantitativo está em constante alta no Estado.

Dentre os óbitos fetais ocorridos no Piauí, em 2018, cerca de 33% aconteceram já com a gestação avançada, entre a 33ª e a 36ª semana. Também observa-se que em 24,62% dos casos a mãe estava na faixa etária entre 30 e 34 anos.  

Jordana Cury
[email protected]

Imprimir