Cidadeverde.com
Viver Bem

Olhos exigem atenção extra nos períodos mais quentes

Imprimir

Foto: Roberta Aline/Cidadeverde.com

Mais frequente no verão, o terçol é considerado inofensivo por muitos, apesar do desconforto provocado. Entretanto, se não for tratado, pode ficar crônico e, em alguns casos, até mesmo demandar intervenção cirúrgica. Ficou assustado? Mas calma. Afinal, alguns cuidados ajudam a prevenir a doença

A estação é propícia ao surgimento de casos já que o calor facilita a proliferação de bactérias e o acúmulo de oleosidade na pele. Isso ajuda a transportar a sujeira ou a levar ao entupimento das glândulas do olho. O lado bom é que, se tratada, a doença não é perigosa ao paciente.

Sintomas

Tanto na forma crônica quanto na normal, o paciente sente os mesmos incômodos: dor, vermelhidão na pálpebra superior ou inferior, acompanhada da formação de um pequeno nódulo parecido com uma espinha.

Um calázio grande pode pressionar a córnea temporariamente, criando irregularidades na superfície do olho e deixando a visão embaçada.

Aliança

Os mais antigos costumam indicar a “técnica da aliança” para o tratamento do terçol. Para quem não conhece, o método consiste em esfregar o anel em uma das mãos até ele ficar quente. Logo após, o objetivo é colocado sobre a área afetada.

A prática apresenta resultado, apesar de ser insuficiente. Entretanto, o que faz a diferença é o calor, e não a aliança. Por isso, o mais recomendado é usar compressa morna quatro vezes ao dia. Além disso, vale ainda procurar um médico para um diagnóstico.

Maquiagem

Aliás, o terçol pode ser transmitido através de maquiagem com a data de validade vencida ou pinéis infectados. O problema ocorre também se a pessoa não retirar totalmente a maquiagem antes de dormir Outro perigo é usar pintura, como lápis ou rímel, dentro da pálpebra.

 

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir