Cidadeverde.com
Política

Candidata a vice e mais 5 são presos por comprar votos

Imprimir

Clima tenso: juiz José Medeiros já havia pedido reforço policial ao TRE
 
O delegado de Pimenteiras, distante 252 quilômetros de Teresina, sargento João da Cruz, confirmou ao Cidadeverde.com a prisão em flagrante de seis pessoas na noite desta terça-feira (20) acusadas de compra de votos, entre elas a enfermeira Edna Nogueira, vice na chapa de Francisco Edson Bezerra, o Chico Bezerra (PTB).
 
De acordo com o delegado, a prisão aconteceu por volta de 18h no bairro Vila Nova. "Recebemos a denúncia e, ao chegar no local, constatamos a presença de dois veículos praticando o crime. Ela (Edna) em um carro, e um outro veículo com o indíviduo conhecido como Dedé Juriti, e outras pessoas do mesmo grupo político, que foram presos em flagrante", informou o sargento Da Cruz.
Com os acusados foram apreendidos um valor em dinheiro ainda não apurado e uma relação de nomes, cada uma com um valor ao lado. "É uma lista extensa. Os valores eram R$ 50, R$ 80, R$ 100...", acrescentou o delegado. A prisão contou com participação de equipe das Rondas Ostensivas de Natureza Especial - RONE -, enviadas para dar segurança ao pleito desde a semana passada, após pedido do juiz José Airton Medeiros.
 
Cinco pessoas estão presas em cela da delegacia, enquanto Edna está em uma sala, aguardando decisão da Justiça para ser transferida. "Como ela tem curso superior e nós não temos cela especial, tudo indica que ela vá para Valença", completou o delegado Da Cruz. Ele informou ainda que os acusados negam o crime de compra de voto, apesar do flagrante.
 
Procurado pelo Cidadeverde.com, o advogado da coligação de Chico Pereira, Raimundo Júnior está acompanhado o caso e promete se posicionar sobre o mesmo nesta quarta-feira.
 
A outra chapa que concorre em Pimenteiras é encabeçada por Romualdo de Sousa Pereira, o Netinho (PSB). O pleito do dia 5 de outubro foi anulado pelo Tribunal Regional Eleitoral por considerar inelegível o primeiro colocado Francisco Antão Arraes, do PMDB. Ele teve os balancetes rejeitados pelo Tribunal de Contas e seus votos foram anulados.
 
Tags:
Imprimir