Cidadeverde.com
Viver Bem

Condição do pé chato pode ser revertida com uso de palmilhas ortopédicas

Imprimir

Foto: Arquivo/Cidadeverde.com

O pé chato é uma condição que pode afetar a qualidade de vida das pessoas que sofrem com o problema.  Caracterizado pela ausência ou diminuição do arco plantar - a curvatura no meio do pé - e acaba gerando muitas dores ao indivíduo porque o pé, estando completamente plano ao tocar o chão, não consegue distribuir de maneira correta o peso do corpo, além de não proporcionar à pessoa o amortecimento necessário para a caminhada, corrida ou salto. 
 
Algumas das formas de tratar o problema são por meio de fisioterapia, exercícios, reeducação biomecânica e uso de palmilhas ortopédicas, que potencializam a melhora dos resultados. As melhores palmilhas para o problema são feitas sob medida para as curvaturas dos pés, pois, possuem apoio perfeito para o arco plantar e suporte no calcanhar que corrige a postura do pé, proporcionando o amortecimento necessário. 
 
Essa personalização para cada pé não é possível se alcançar com os sapatos e tênis à venda em lojas comuns. “A função da palmilha ortopédica é eliminar a dor dos pacientes de forma que sua qualidade de vida seja melhorada por meio de tecnologia. O processo de produção é feito totalmente sob medida, de acordo com a necessidade de cada cliente”, declara Mateus Martinez, diretor de fisioterapia de uma fábrica. 
 
Causas do pé chato vão desde hereditariedade até fatores genéticos
 
Algumas causas que geram pés chatos:

  • Fatores genéticos; 
  • Lesão no pé ou tornozelo;
  • Arcos fracos, significa que ele fica visível quando a pessoa está sentada, mas que deixa o pé achatado quando está no chão ou parado;
  • Artrite ou artrite reumatoide;
  • Doenças do sistema nervoso ou muscular, como paralisia cerebral, distrofia muscular ou espinha bífida;
  • Coalizão do tarso;
  • Obesidade ou diabetes;

Geralmente essa condição é identificada durante a infância. O ideal é que os pais acompanhem o desenvolvimento da criança até aproximadamente nove anos de idade e buscar ajuda de um especialista caso o filho reclame de dores frequentemente. Quanto mais cedo for tratado, mais rápida será a reversão do quadro e a criança poderá ter uma melhor qualidade de vida estando livre de dores. 

Da redação
[email protected]

Imprimir