Cidadeverde.com
Geral

Vigilante é assassinado dentro de mineradora na zona Sul de Teresina

Imprimir

Fotos: Izabella Pimentel/ Cidadeverde.com

O vigilante Fernando Alves Mendes, 52 anos, foi assassinado dentro de uma mineradora localizada no bairro Angelim, zona Sul de Teresina. O corpo foi encontrado por volta das 21h  dessa quarta-feira (1) pelo filho e uma irmã da vítima.

Fernando saiu de casa no último dia 31 para trabalhar e não voltou mais. Os familiares do vigilante encontraram o corpo, que estava com várias lesões na cabeça.

O caso está sendo investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). O delegado Danúbio Dias disse que ainda não é possível afirmar quais foram as circunstâncias da morte. 

A polícia trabalha com a possibilidade do agressor conhecer a vítima, que teria tentado reagir. 

“Por conta das múltiplas lesões é possível suspeitar que o agressor nutria um sentimento da raiva pela vítima. Há hipótese de roubo também, mas é fraca já que nada foi levado da vítima”, conta  o delegado Danúbio. 

O DHPP colherá depoimentos de pessoas próximas ao vigilante e vai traçar uma linha do tempo com as ações do vigia antes do assassinato.

Funcionários da mineradora, que preferem não se identificar, contam que Fernando era uma “pessoa legal” e que não tinha inimizades. 

Os funcionários contam, ainda, que o agressor não roubou nada da mineradora nem da vítima. A motocicleta e a carteira do vigilantes ficaram no local. 

A vítima prestava serviços à mineradora há dois anos. Não há registros de assaltos ao estabelecimento.

O gerente do estabelecimento preferiu não falar com a imprensa.


O velório do vigilante Fernando acontece no bairro Promora. A família está abalada e inconformada com a morte. 

O familiar Carlos Magno Leão diz que Fernando foi morto enquanto dormia em uma rede e que o agressor agiu covardemente.  

“A virada de ano pra gente sempre vai ser de tristeza. Ele foi morto de forma cruel, desumana e covarde. A gente pede justiça e que prendam o culpado. Foi uma forma muito cruel e a família está sentindo muita dor” , lamentou. 

Os familiares também afirmam que Fernando era um homem tranquilo, religioso e sem inimizades. A família não tem conhecimento de supostas ameaças sofridas por ele. 

“Ele nunca chegou a comentar nada. A gente via ele às vezes com discussões no telefone, mas ele nunca comentou nada”, acrescenta Carlos Magno. 

O sepultamento de Fernando está marcado para as 8h desta sexta-feira no Cemitério Santa Cruz.

 

Flash Izabella Pimentel 
[email protected]

Imprimir