Cidadeverde.com
Geral

Exposição internacional sobre Anne Frank chega a Teresina em março

Imprimir
  • anne_frank_-19.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • anne_frank_-18.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • anne_frank_-17.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • anne_frank_-16.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • anne_frank_-15.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • anne_frank_-14.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • anne_frank_-13.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • anne_frank_-12.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • anne_frank_-11.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • anne_frank_-10.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • anne_frank_-9.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • anne_frank_-8.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • anne_frank_-7.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • anne_frank_-6.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • anne_frank_-5.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • anne_frank_-4.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • anne_frank_-3.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • anne_frank_.jpg Roberta Aline / Cidade Verde

De Amsterdã, na Holanda, para Teresina, a exposição ‘Aprendendo com Anne Frank - histórias que ensinam valores’ traz uma réplica de um dos diários mais conhecidos do mundo, escrito por uma menina judia que morreu durante a Segunda Guerra Mundial.

A exposição também conta um óculos de realidade virtual que traz a experiência de visitar a casa da menina na Europa, conhecendo seus amigos e familiares em uma viagem pela História.

São oito peças vindas da Casa da Anne Frank, em Amsterdã, em uma exposição única no Nordeste. Segundo o coordenador do projeto, o professor Randal Vieira, apenas o Piauí o estado de São Paulo foram contemplados com o projeto que cedeu as réplicas do museu.

Com a proposta de levar uma mensagem de tolerância a crianças e jovens, a exposição quer retratar a luta pela sobrevivência durante o Holocausto. “Queremos levar informação, história e tolerância para que não aconteça de novo o que aconteceu com Anne Frank e seu povo”, revela o professor Randal. 

Com mais de 88 palestras por todo o Piauí e Maranhão o projeto Anne Frank foi contemplado com o programa da Casa da Anne Frank de Amsterdã, que cedeu as peças durante um ano.

A primeira exposição está marcada para o dia 16 de março no Instituto Federal de Educação (IFPI) Central. Segundo a organização, há tratativas para uma exposição também no Clube dos DIários ou na Casa da Cultura, ainda sem data prevista.

Fotos: Roberta Aline/Cidadeverde.com

Exposição itinerante

As peças réplicas do museu da Europa estão abertas para exposições em escolas públicas e particulares.“A gente quer fazer parceria com secretarias municipais, percorrer vários municípios do interior e fazer uma programação para o ano. A gente vai ter dois monitores capacitados para receber este alunado”, explica o professor Randal.

Para levar a exposição para sua escola, os interessados devem entrar em contato com os telefones (86) 9 9411-9879 / (86) 9 9963-0312 ou pelo e-mail [email protected] O público também pode acompanhar o projeto pelas redes sociais Instagram e Facebook.

Anne Frank

Anne Frank, era uma garota judia que morreu durante a segunda guerra mundial (1939 a 1945) e que ficou famosa após ter seu diário publicado. 

Anne começou a escrever após ganhar um diário de presente de aniversário.

Quando se mudou para o primeiro esconderijo, fugindo da guerra, Anne usava todo o seu tempo livre para escrever, o diário além de companheiro era um passatempo.

Natural da Alemanha, ela tinha o sonho de ser tornar jornalista ou uma escritora famosa.

Ao longo do tempo que passou no esconderijo ela relatou como era a sua vida naquela situação, e da sua família. Anne também escrevia poemas, sonhos e o que pensava. 

O Diário de Anne Frank ficou famoso mundialmente e foi traduzido em mais de 70 línguas, e tem servido como inspiração para diversas produções artísticas, como filmes e teatrais.

Foto: Facebook. 

 

Valmir Macêdo e Yasmim Cunha
[email protected]

Imprimir