Cidadeverde.com
Viver Bem

Foliões precisam ter cuidado com escolha do glitter neste carnaval

Imprimir

Foto: Divulgação e-commerce

Durante o período de carnaval, muitos foliões utilizam fantasias e costumam abusar no uso de glitter, maquiagem e tinta para aproveitar os dias de festa. Mas, o uso exagerado e a composição desses materiais podem atingir a pele e provocar irritabilidade, além de infecções. E devido à exposição do corpo a estas substâncias é necessário ter alguns cuidados para que esse período de festas, não vire preocupação.

A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) recomenda que seja sempre verificado se o produto de maquiagem, glitter ou materiais semelhantes foram submetidos a testes de controle de qualidade e a inspeção da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). O dermatologista, Lauro Rodolpho, informa sobre os tipos de glitter existentes e os principais problemas que o uso indevido do material pode causar à pele dos foliões.

"Existem dois tipos de glitter. Existem àqueles mais baratos feitos de microplásticos e os mais recomendados que são os biodegradáveis. Os de microplásticos são duros e podem causar danos à pele de duas formas. Um deles é a alergia porque têm compostos de plástico, para quem tem aversão à plástico e petróleo, podendo desenvolver uma dermatite alérgica de contato pelo uso do produto. Outro ponto é pela característica do material, que por serem duros podem machucar à pele, arranhar e causar escoriações, além do fato de serem usados muito próximos a região dos olhos, atingindo a córnea ocular. Então, o folião precisa ter cuidado na hora de escolher seu glitter, de preferência biodegradável, que é um material mais molinho, suave e que inclusive, sai até mais facilmente da pele", explica.

Por serem mais econômicos, algumas pessoas optam por glitteres à base de microplásticos, um alternativa barata, mas que causa vários prejuízos como aumento da poluição, degradação muito mais lenta do material e comprometimento do ecossistema. Outro problema que pode ser causado é a acne oclusiva, porque abafa a pele e fecha os poros provocando o aparecimento de espinhas no rosto.

O especialista frisa os procedimentos que devem ser tomados em caso de irritabilidade da pele. Segundo Lauro Rodolpho, se o folião utilizar esses produtos e começar a irritar a pele, a orientação é lavar bem com água abundante, sabonete não agressivo ou infantil, de forma que retire todo o material.

"Após retirar o produto é preciso fazer compressas frias para aliviar a ardência e irritação, verificar se houve raladura na pele e procurar um médico para fazer o diagnóstico dessa dermatite ou acne que foi criada pela substância. Tomadas as providências, o médico irá escolher o melhor tratamento individualizado para cada caso. Se for nos olhos buscar um oftalmologista e se for na pele, um dermatologista. Desejo um bom carnaval à todos, que brinquem com segurança, com consciência e escolham bons produtos para maquiar e usar na pele. Que o carnaval não vire uma tormenta para quem utilizou esses produtos de qualidade ruim", finaliza o dermatologista.

 

[email protected]

Imprimir