Cidadeverde.com
Economia

Em videoconferência, BNB diz que há crédito emergencial para agricultores durante pandemia

Imprimir

Em videoconferência transmitida pelo Cidadeverde.com nesta segunda-feira (4) com empresários, autoridades e especialistas em economia, o gerente executivo do Banco do Nordeste (BNB), Mirócles Rabelo, informou que o banco também trabalha com linhas de crédito para infraestrutura e reforçou a linha emergencial, durante a pandemia de Covid-19, que diminuiu as exigências quanto a certidões negativas.

Para recuperar e preservar atividades produtivas durante a epidemia de Covid-19, o banco facilitou as exigências de documentação. “O FNE Emergencial. Essas empresas têm, além da taxa de juro de 2,5% ao ano, a exigência de documentação foi flexibilizada”, citou Mirócles. A linha oferece crédito de até R$ 200 mil. 

O Banco do Nordeste garantiu ter orçamento para fazer investimentos estrtuturantes no estado e citou os empreendimentos em energia renovável.

Momento é de priorizar a Saúde

Representando o poder público estadual, o superintendente de Gestão da Sefaz, Antônio Luiz, confirmou que os investimentos do governo previstos para infraestrutura não são suficientes para atender aos produtores de grão no Sul do estado. 

“Com essa crise do coronavírus, embora tenha uma perspectiva de investimento do governo em infraestrutura no sul do Piauí, mas não resolve”. Ele afirmou que o momento não é muito otimista em relação ao crescimento do PIB e a arrecadação do estado, que teve uma queda de 30%  na receita e a perspectiva é de cair para 40% em maio.

PPPs como solução

O economista Fernando Galvão citou que o Banco Mundial aponta as parcerias público-privadas (PPPs) como estratégias para atrair investimentos e resolver os problemas de infraestrutura básicos, o que será necessário para enfrentar a crise econômica.

O presidente da Associação de Produtores de Soja do Piauí (Aprosoja), Alzir Neto, lembrou que os produtores chegaram a sugerir uma PPP, batizada de “PPP Caipira” que ainda está sendo analisada pelo governo. Nela, os produtores iriam ser os parceiros privados do estado na gestão da infraestrutura rodoviária da região.

"A gente iria tomar conta do trecho, fazer a estrada e fazer um financiamento”, explicou. No entanto, para esse tipo de parceria deve haver uma legislação específica. 

Licenciamento ambiental

O presidente da Aprosoja também criticou a burocracia no licenciamento ambiental do estado e deu como exemplo o embargo na construção da ponte sobre o rio Parnaíba, que pretende ligar os municípios de Ribeiro Gonçalves (PI) e Tasso Fragoso (MA), em trecho para o escoamento de grãos.

Segundo Alzir Neto,os produtores irão custear a construção da ponte mas dependem do licenciamento ambiental do Estado, que ainda não foi concedido. “Nunca foi aprovado o licenciamento ambiental”, disse.

Momento ainda é rentável para grãos

O consultor de mercado, Danilo Moura, afirmou na live que as perspectivas de queda do PIB nacional e estadual ainda não são concretas e que a demanda por grãos deverá se manter, principalmente na região Norte e Nordeste, onde o consumo de milho é considerável.

“Ao longo do ano teremos sim uma demanda em relação aos grãos. A pandemia deu uma paralisada na economia, mas são itens de necessidade básica”, disse.

O consultor também afirmou há previsão de preços favoráveis no futuro, com bons indicativos para o cálculo do base. “Fortalecimento do base, a diferença que o produtor recebe em relação ao preço na Bolsa”, disse Danilo Moura.

 

Valmir Macêdo
[email protected]

Imprimir