Cidadeverde.com
Política

"Seria um crime contra o nosso país", diz Ciro sobre impeachment de Bolsonaro

Imprimir

O presidente nacional do Progressistas, senador Ciro Nogueira, afirmou nesta quinta-feira (4) que o Congresso Nacional não discute a possibilidade de impeachment do presidente Jair Bolsonaro. Segundo ele, o assunto é apenas midiático e, caso acontecesse, seria um crime contra o país. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, já recebeu 41 pedidos, sendo que apenas um foi arquivado.

"Não é momento de se discutir impeachment, essas situações extremas. Essa discussão de impeachment é mais é na mídia. Ninguém discute isso no parlamento. Ninguém é tão irresponsável de achar que vamos passar por um processo de impeachment, que não é um processo que se resolve em uma semana, demora meses. Isso só iria agravar a situação do nosso país. Temos que nos unirmos ao lado do nosso presidente da República, dos nossos governadores, prefeitos, para que a gente possa dar sustentação à população. Precisamos focar na estabilidade. Seria um crime contra o nosso país entrarmos em um processo de impeachment nesse momento", disse o senador em entrevista à TV Cidade Verde.

Para Ciro, o momento é de focar na estabilidade e, para isso, é preciso apoio dos partidos de centro. "Precisamos no nosso país é de estabilidade. Vamos enfrentar agora a maior crise econômica da nossa história. É por isso que os partidos de centro, em especial o Progressistas, está dando apoio ao presidente", comentou.

Foto: Reprodução/TV Cidade Verde

O parlamentar ressaltou que seu foco no alinhamento com Bolsonaro é ajudar o Piauí. "Nosso apoio ao governo federal visa muito dar estabilidade ao país, que a gente possa aprovar as reformas que o presidente venha a apresentar. No que diz respeito a mim, o foco é o Piauí. O Piauí não pode ter um senador que fique fazendo oposição sistemática. Apenas fazendo discurso no plenário. Meu foco será o Piauí. É um estado que precisa de recursos", disse.

Saúde

O senador adiantou que nos próximos anunciará, segundo ele, "a maior transferência de recursos da história do estado" para os municípios enfrentarem a crise sanitária.

Até a próxima semana vamos anunciar os recursos. Vai ser a maior transferência de recursos da história desse estado para os municípios piauienses. São recursos novos para a saúde. Vamos chegar perto de 200 municípios beneficiados. 99,9% estão encaminhados", afirmou.

Hérlon Moraes
[email protected]

Imprimir