Cidadeverde.com
Geral

APIDEP empossa nova diretoria para o biênio 2020-2022

Imprimir

Foto: Ascom

Em sessão virtual, a Associação Piauiense das Defensoras e Defensores Públicos (APIDEP) empossou a nova composição de membros da diretoria para o biênio 2020-2022, após a proclamação do resultado pelo presidente da Comissão Eleitoral, o defensor público Gerson Henrique Sousa. A eleição feita por aclamação manteve a defensora pública Ludmilla Paes Landim como presidente da Associação, e o defensor público Arilson Pereira Malaquias na vice-presidência por mais dois anos de gestão frente à defesa da categoria piauiense.

A solenidade de posse contou com a presença da Comissão Eleitoral formada pelo defensor público Gérson Henrique, a defensora Gisela Mendes e o defensor Marcelo Pierot, além da presença da vice-presidente da Associação Nacional das Defensoras e Defensores Públicos (ANADEP), Rivana Ricarte, da Subdefensora Pública do Piauí (SUBDPG-PI), Carla Yáscar, dos membros da nova diretoria e alguns associados.

Durante os discursos, a Subdefensora Pública do Piauí (SUBDPG-PI), Carla Yáscar, comentou sobre a importância do trabalho da defensoria pública e parabenizou a todos que aceitaram o desafio de estar à frente da organização. “Tenho um respeito muito grande pela Ludmilla Paes Landim, Arilson Malaquias e por todos os demais colegas que compõe a chapa. Quero parabenizar a todos e à todas pela coragem de se disporem a esse desafio mais uma vez, de estar à frente e desempenhando um trabalho que é tão importante para toda a nossa classe. Reitero o compromisso da gestão de sempre dialogar com a associação e de estarmos abertos a ouvir e a compartilhar”, declara.

Também presente na solenidade virtual, a vice-presidente da Associação Nacional das Defensoras e Defensores Públicos (ANADEP), Rivana Ricarte, parabenizou a nova chapa eleita e destacou o trabalho que a presidente reeleita vem executando em sua gestão. “É a primeira vez que vou à defensoria pública do Piauí, ainda que virtualmente. É um prazer enorme. Parabenizo a chapa eleita, a nova diretoria que continua sob o comando da Ludmilla e Arilson. É muito bom poder contar com os defensores e defensoras públicas, poder contar com a Ludmila nossa diretora na Associação Nacional, que veio para movimentar um pouco mais a escola da ANADEP que estava bem parada em gestões passadas. Desejo, sinceramente, que os colegas sigam irmanados com as ações da APIDEP”, ressalta.

No ato de posse, a presidente da APIDEP, Dra. Ludmilla Paes Landim agradece o empenho e parceria da diretoria na gestão anterior. “É com enorme satisfação que assumo a presidência da APIDEP para o biênio 2020-2022, mas não sem antes render minhas homenagens à diretoria anterior que caminhou ao meu lado nos últimos anos, com renúncia e dedicação, e com isso permitiu que tivéssemos uma gestão atuante, responsável e que cumpriu um papel decisivo em variados desafios que se apresentaram à categoria nesse período. A vocês, o meu mais sincero agradecimento!”, disse a defensora.

Ludmilla Paes Landim externou que com a eleição da nova chapa por aclamação a responsabilidade aumentou e agradece a todos os associados e associadas pelo apoio e confiança depositados na condução da APIDEP. “Teremos enormes desafios pela frente. E agradeço aos novos diretores a disponibilidade em contribuir, porque sabedores que nesta caminhada que ora nos aguarda, teremos uma sucessão de afazeres com muitas renúncias pessoais,  inclusive! Mas eu acredito firmemente que daremos uma valiosa contribuição e é com essa fala esperançosa que dou boas-vindas à nova diretoria”, disse.

A presidente reeleita finaliza reiterando o compromisso pela defesa das garantias e prerrogativas da classe. “E rogo a que nós tenhamos independência e capacidade de liderança necessária nessa espinhosa missão, mas que, principalmente, tenhamos sensibilidade para compreender as diferentes personalidades que formam essa entidade tão plural. E que sejamos intransigentes na defesa de nossas garantias e prerrogativas porque elas não nos pertencem. Pertencem sim ao cargo e ao povo, como armas indispensáveis para a consecução da nossa missão outorgada pelo Constituinte. Enquanto Associação, dentre outros campos de batalha, também zelaremos pelo tratamento isonômico intra muros, para que não haja distinção entre membros da mesma carreira, sejam eles da capital ou do interior mais distante, ou qualquer que seja sua área de atuação”, afirmou a defensora pública Ludmilla Paes Landim.

Da Redação
[email protected]

Imprimir