Cidadeverde.com
Geral

Na volta às aulas, Seduc fará triagem com professores para mapear grupo de risco

Imprimir

Foto: RobertaAline/CidadeVerde.com

A Secretaria de Estado da Educação realizou uma espécie de  triagem sobre as condições de saúde dos servidores da pasta. Inicialmente apenas os servidores da sede da secretaria e das Gerências Regionais de Educação passaram por essa triagem, pois são os primeiros a retomarem as atividades presenciais. Posteriormente, a Seduc fará esse levantamento juntos aos professores e equipe escolar.

A ação tem como objetivo saber das condições de saúde desses profissionais para o retorno das aulas presenciais, marcado para ocorrer dia 22 de setembro. O objetivo é identificar os professores que possuem comorbidades diante da pandemia do coronavírus. 

De acordo com a secretaria, a primeira etapa ocorreu entre os dias 13 e 21 de agosto.  Todos os trabalhadores da secretaria e das  21 Gerências Regionais de Educação responderam a um questionário com perguntas a referentes aos aspectos de saúde em geral. Eles forneceram informações como idade, saúde mental, estilo de vida, e expectativa para a retomada das atividades. 

O  superintendente da educação básica da secretaria de educação, Carlos Alberto, afirma que o retorno presencial será gradativo. No início, serão alternadas as atividades presenciais e virtuais. 

Segundo ele, a educação seguirá um rigoroso protocolo de segurança. 

“A Seduc tem um protocolo de retorno das atividades educacionais. Depende agora única e exclusivamente de liberação do Comitê de Vigilância Sanitária. Aguardamos decreto do governador para iniciarmos nossas atividades no dia 22 de setembro. Para que isso aconteça, teremos protocolos. Queremos deixar todos tranqüilos porque a Seduc obedece ao protocolo da vigilância sanitária. Isso para garantir seguranças aos alunos e famílias. Para isso, preparamos a rede completa e instrumentalizamos nossa rede com atividades remotas e presenciais. Muitas atividades de conversas, para voltarmos ao cenário inicial”, destacou.

 

Lídia Brito
[email protected]

Imprimir