Cidadeverde.com
Geral

Em motim, internos do CEM fazem refém e exigem presença de juíza

Imprimir
  • substituir_cem.jpg Roberta Aline
  • substituir_c.jpg Roberta Aline
  • cem_roberta11.jpg Roberta Aline
  • cem_roberta.jpg Roberta Aline
  • cem_roberta_10.jpg Roberta Aline
  • cem_roberta_9.jpg Roberta Aline
  • cem_roberta_8.jpg Roberta Aline
  • cem_roberta_7.jpg Roberta Aline
  • cem_roberta_5.jpg Roberta Aline
  • cem_roberta_3.jpg Roberta Aline
  • cem_roberta_2.jpg Roberta Aline

Atualizada às 18h

Os internos do Centro Educacional Masculino (CEM) iniciaram, no começo da tarde desta quinta-feira (27), um motim. Os menores infratores  exigem a presença de membros da Comissão de Direitos Humanos da OAB-PI e da juíza  juíza Elfrida Belleza, da 2ª Vara da Infância e Juventude da Comarca de Teresina. 

Um agente socioeducador, cohecido como Pereira, foi mantido refém pelos internos, mas liberado por volta das 14h30. Ele não ficou ferido.

Alguns internos chegaram a subir no telhado do Centro Educacional e quebraram câmeras de monitoramento. Colchões e roupas foram queimados e o Corpo de Bombeiros foi acionado. 

Pelo menos 27 internos participaram do motim. O secretário adjunto da Comissão dos Direitos Humanos da OAB, Adonis Araújo Silva, está no CEM e aguarda a chegada da juíza Elfrida Belleza para conversar com os menores.

Ele afirma que, agora, a situação está  um pouco mais controlad. O membro da comissão disse, ainda, ao Cidadeverde.com que as reclamações dos internos seriam referentes a  maus tratos. 

O Cidadeverde.com tenta contato com a direção do Centro Educacional Masculino. Imagens mostram a destruição causa no CEM. Paredes foram danificadas e barras de ferro quebrada no motim. 

Fotos:reprodução

A Secretaria Estadual de Assistência Social e Cidadania (Sasc) se manifestou através nota.

"Internos do Centro Educacional Masculino (CEM) realizaram rebelião no início da tarde desta quinta-feira, 27. A ocorrência foi devidamente controlada, o refém liberado sem danos à sua integridade física. Equipes do 1º Batalhão da Polícia Militar, BOPE e BPRONE estiveram no local para conter o princípio de rebelião, que contou com representantes da Comissão dos Direitos Humanos, da juíza Elfrida Belezza, do secretário José Santana. A situação foi controlada".

 

 

 


Izabella Pimentel
[email protected] 

Imprimir