Cidadeverde.com
Economia

PPP do Zoobotânico prevê investimento de R$ 42 milhões e transformação em bioparque

Imprimir

Foto: arquivo/Cidadeverde.com

Considerado o terceiro maior parque urbano do Brasil, com uma área total de 127 hectares, o Zoobotânico está próximo de ser repassado para a iniciativa privada. O local passará a ser gerido no modelo de Parceria Púbico Privada (PPP), com investimentos que devem chegar a R$ 42 milhões. Nesta terça-feira (22) está prevista uma audiência pública para tratar da revitalização do Parque. O evento ocorrerá virtualmente às 9h30 e será transmitida ao vivo, pelo youtube do Governo do Piauí. 

“Para que esse projeto realmente tenha uma infraestrutura adequada, a previsão nossa é que o privado tem que investir inicialmente em torno de R$ 30 milhões, em um contrato de 35 anos. O vencedor terá várias obrigações a seguir. Esse projeto vai demandar muito a gestão compartilhada, mas supervisionada diretamente pela Secretaria de Meio Ambiente”, informou ao Cidadeverde.com, a superintendente de Parcerias e Concessões (Suparc), Viviane Moura.

Viviane explica que a PPP tornará o Zoobotânico um bioparque, com maior interação entre animais e seres humanos, além da divisão por biomas.

“Não vai deixar de existir o zoo, pois os animais precisam de um espaço para proteção e conservação da espécie, só que serão tratados dentro de um novo ambiente, dentro de novo conceito. Inclusive de convivência e integração com o ser humano. A gente adota agora o que a gente chama de enclausuramento inverso, onde o homem é que fica enclausurado e o animal fica muito mais próximo do seu bioma, habitat natural”, afirma Viviane.

“A gente vai adotar também a lógica no zoo de separação por biomas, além de melhorar a função de resgate e tratamento dos animais e, no contexto geral, fazer com que o parque funcione de uma forma que a gente consiga promover uma maior integração entre o ser humano, a flora e a fauna. Esse é o principal objetivo”, acrescenta.

Viviane explica que o governo desde 2017 tenta adequar o local ao modelo de bioparque.

“Com essa concessão, a gente vai trazer para dentro do parque o conceito de bioparque. O governo, desde 2017, através de um decreto, qualificou o parque como bioparque e dentro desse conceito existem alguns requisitos que precisam ser cumpridos. Ao longo do tempo, o governo vem tentando implantar o conceito, materializado através de infraestrutura, mas requer muito investimento. Então, o conceito que vai ser adotado na concessão é o de bioparque. Continua assim tendo o zoo, mas a ideia é de, na medida do possível, sempre ir reduzindo a quantidade de animais”, informou.

O parque atualmente encontra-se fechado e passa por uma reforma emergencial. O Parque Estadual Zoobotânico é uma unidade de conservação, pertencente ao grupo de proteção integral, segundo a classificação Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC).

Hérlon Moraes
[email protected]

Imprimir